Indelicado fim

Queimar naves – final
06/10/2017
A estranha história da Yamaha na Fórmula 1 – parte 1
11/10/2017

Seria muita insensibilidade dizer que um campeonato tão bom quanto esse acabou. Seria indelicado dizer para o time da Ferrari que agora, só uma catastrofe tira o título de Hamilton.

Insenbilidades e indelicadezas a parte, no segundo 25×0 do semestre, faltando quatro provas para o fim, é possível que o time da Ferrari tenha perdindo a chance de disputar um dos títulos mais equilibrados e divertidos dos ultimos tempos.

A prova do Japão no legendário circuito de Suzuka foi o palco perfeito – mais uma vez – para colocar os dois postulantes ao título em teste com suas máquinas temperamentais.

Hamilton mostrou porque é o unico piloto da história a quebrar a marca de 70 pole-positions. Em mais uma volta fenomenal, garantiu a pole!

Com todas as punições possíveis aplicadas, a primeira fila guardava um momento mágico para a nossa madrugada: os dois líderes, em Suzuka, para dividir a primeira curva.

Quantos sonhos, quantas lembranças, a esperança vence o medo e teremos a madrugada mais épica do duelo de 2017.

Só esqueceram de combinar com os Italianos.

O carro de Vettel veio para o grid com um alerta de problemas e após a largada. Hamilton, o insensível, larga precisamente e garante uma primeria curva limpa. Deixando o pelotão se debater entre eles. Um brilhante Ocon se mete entre as Red Bulls e Verstappen supera seu companheiro de equipe aproveitando a preferência de largar por dentro.

O pesadelo Italiano começava com Vettel perdendo a posição para Verstappen e uma sequencia de manobras equivocadas de Kimi que o jogaram pra trás no pelotão.

Fechamos a primeira volta e veio na sequencia o Safety Car. Vettel perdia posições, uma após uma, uma pá de cal após a outra nas suas chances pelo campeonato.

Separado o drama da Ferrari, ficava a dúvida da performance da Red Bull. Haveria carro para bater Hamilton como fizeram na Malásia. Aparentemente não. Mas por pouco.

O time austríaco achou a receita de seu chassis e consegue manter um ritmo de prova consistente sem detonar os pneus. Sem muito esforço as duas RBR se posicionaram a frente das Force India, Mercedes e Ferrari restantes.

Pois é amigos do GPTotal, na 11º volta já era possível saber o pódio da corrida. Cade o nosso sensacional GP? A maravilha de disputas desse ano?

O clima era igual a cara do Vettel no box. Serenamente triste. Aquela cara de “2018 vem aí”.

A tentativa de undercut da Red Bull não animou a prova. Arrisco dizer que nem a aproximação final de Verstappen. Uma tensão efêmera.

[su_youtube url=”https://www.youtube.com/watch?v=F4T97cQm2iE”]httpv://youtu.be/jzQ1VJkcSF4[/su_youtube]

Com o título jogado no lixo, restava ver o que mais aconteceria de interessante na prova.

Stroll mostrou que cresceu a salvar a vida dele e de um Red Bull logo após perder um pneu. Com habilidade, impediu que o carro voltasse desgovernado para pista. Seria uma batida cinematográfica.

Outro destaque da prova foi o glorioso Hulk. Depois de uma parada mal calculada, a sorte faltou. DRS travado e Hulkenberg volta para o box para uma das melhores cenas da temporada: um mecanico esmurrando a asa para encaixar o equipamento no local. Um dos mecanicos chegou a ficar com a asa na mão. E ainda assim achavam que poderiam mandar o piloto para pista. Ainda bem que na Renault tem alguem com juízo no comando e mandaram recolher o carro.

Também teve um Safety Car Virtual para homenagear o bonito trabalho de Ericsson na sua passagem pela F1. Na grama, no muro. Pra ficar marcado na tela da TV a grandiosidade desse piloto.

E o que seria mais um GP normal, acabou sendo o último de Palmer. Kyviat agradece e retorna ao carro da Toro Rosso, já que Sainz muda pra Renault na proxima corrida. Um pena, a F1 poderia ter se livrado de Palmer e Kyviat de uma vez. Faltaria Ericson e Magnussen para termos um grid um pouco mais qualificado, mas teremos que esperar o ano que vem.

Sentimos muito pelo campeonato de 2017. Era pra ser um campeonato palmo-a-palmo até a útima curva em nos Emirados Arabes.

A Ferrari fez questão de estragar um campeonato maravilhoso. Contou com ajuda de seu piloto principal (em Cingapura) e com uma sucessão de falhas de qualidade na montagem do seu carro.

Não adianta velocidade pura ou ritmo de corrida para bater Hamilton e a Mercedes no melhor de seus dias. E o maior problema da Ferrari hoje é que o time da Mercedes está em uma sequencia de “melhores dias”.

Com inteligencia, minimizando resultados potencialmente ruins, e aproveitando das falhas dos adversarios, Hamilton colocou na conta 50 pontos limpinhos nas provas não finalziadas por Vettel. E ainda guardou um troco para uma prova que não poderia vencer.

Em um campeonato como esse, 59 pontos de frente em 4 provas?

Vettel precisa de um meteoro, apocaliptico, para remover as 7 pás de cal que Hamilton jogou em seu pentacampeonato.

E para vocês? O Campeonato também acabou?

Abraços
Flaviz Guerra

Flaviz Guerra
Flaviz Guerra
Apaixonado por automobilismo de todos os tipos, colabora com o GPTotal desde 2004 com sua visão sobre a temporada da F1.

5 Comentários

  1. Fernando Marques disse:

    Flavis,

    já era esperado estes problemas nos motores da Ferrari … eles já vinham no limite desde o primeiro semestre … o Vettel quando diz que mesmo assim o trabalho na Ferrari vem sendo magnifico, eu assino embaixo, pois ela realmente ameaçou a supremacia da Mercedes … a RBR melhorou? … Sim, mas não tem mais carro que a Ferrari, na minha opinião …
    Quanto ao campeonato, ele acabou … obvio que esperávamos por emoções mais ao fim da temporada, mas mesmo assim ele foi muito legal de se acompanhar … a luta pela liderança entre Hamilton e Vettel enquanto esteve viva foi o ápice do campeonato …

    Fernando Marques
    Niterói RJ

  2. Mauro Santana disse:

    Pois é Flaviz, o Campeonato já acabou, pois quando Hamilton achar que não valerá a pena correr o risco de lutar pela vitória, irá somente conduzir o seu Mercedes prateado num típico passeio de domingo.

    Massa 2008 e Vettel 2017, Guardada as devidas proporções, é claro, e contra dois Hamilton bem diferentes, é claro.

    Abraço!

    Mauro Santana
    Curitiba-PR

  3. MarcioD disse:

    Flaviz,

    Entrei num site que calcula probabilidades e realmente eles colocam Vettel e Bottas com “quase” 0% de chances e Hamilton 100%. Mas tudo pode acontecer, vamos aguardar. Se Hamilton continuar mantendo a cabeça no lugar e não correr riscos desnecessários na largada principalmente e em disputas por posição, se Vettel vencer as 4 provas restantes(o que é altamente improvável devido ao crescimento da RBR nas ultimas provas) bastam a Lewwis, por exemplo, 3 quintos lugares e um quarto para liquidar a fatura. O que tem mais feito a diferença é a maior confiabilidade da Mercedes comparada à Ferrari nesta reta final em que as regras de nº limitado de componentes começam a fazer efeito.

  4. Rubergil Jr. disse:

    Acabou. Ponto. E se bobear, Bottas ainda pode ser vice. Aí cabeças vão rolar na Ferrari.

  5. Lucas disse:

    É provável que tenha acabado mesmo, mas não sei o que se passa na cabeça do Vettel. Porque de certa forma, esse novo abandono pode acabar sendo uma benção pra ele: daqui a alguns anos, quando se falar em 2017, vão se referir a essa temporada como “aquela que o Vettel não ganhou porque o carro quebrou muito”, ao invés de lembrarem de quando ele fez bobagem quando tinha carro pra ganhar corrida…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *