20 GPs em 2006?

É proibido fumar…
19/12/2001
Em boca fechada não entra mosca
21/01/2002

Panda

Li por aí que poderemos ter vinte GPs ou um pouco mais em 2006.

Claro que acho uma maravilha ter mais corridas para assistir e comentar aqui no GPTotal mas a idéia não me soa bem. Há alguma coisa de inatural em ampliar demais algo como a Fórmula 1. Imagino que muito do prazer de assistir a uma corrida decorra do fato de ser este um prazer raro e não creio que seja apenas uma coincidência a derrocada da Fórmula Indy ocorrer logo após o aumento do número de provas -acho que já são 22 por ano.

O crescimento do número de GPs foi ventilado em meio ao conflito entre os fabricantes de motores e a Slec, empresa que detém os direitos comerciais da Fórmula 1. Considerando como certa a prevalência dos seus pontos de vista, os fabricantes de motores deixaram passar para a imprensa a intenção de ampliar o calendário, já que há muitos países interessados em organizar GPs (os suspeitos de sempre são Rússia, China, Líbano e outros países do Oriente Médio) e, entre os que já organizam, ninguém quer sair.

Pela lógica dos fabricantes de motores e dos patrocinadores mais corridas é o que há: mais exposição de marca, eventos etc. pelo mesmo preço. Já para as equipes, mais corridas são má notícia: o ganho adicional certamente não compensa os custos. O orçamento de uma equipe de Fórmula 1 deve ser consideravelmente impactado pelo número de corridas, tanto mais se forem realizadas fora da Europa.

Pense um pouco: avião mais diárias de hotel mais transporte em terra e alimentação do pessoal. Dificilmente um deslocamento para fora da Europa custa menos de US$ 3 mil por cabeça para a equipe. Se uma equipe traz 60 pessoas para o GP do Brasil, por exemplo, estará gastando US$ 180 mil e eu nem falei nos carros – que têm um esquema de transporte especial, coordenado pela turma do Bernie.

Por motivos como este, ele lutou anos para esticar o campeonato até 16 provas e, depois disso, para as 17 provas atuais. Creio que só o conseguiu em meio às barganhas pela renovação do Pacto da Concórdia, o acordo político, esportivo e comercial que rege a Fórmula 1.

Há mais um motivo para eu não gostar muito do crescimento do calendário. Acho que não é nada fácil estruturar um GP de Fórmula 1, tanto do ponto de vista de organização como do financeiro.

A categoria se tornou muito sofisticada. Coisas ruins podem acontecer mesmo em países notoriamente organizados, como a Austrália ou a Inglaterra. Começar a se aventurar demais por aí é criar compromisso que talvez não possam ser sustentados e que acabam envenenando as relações entre as partes. Você, Panda, que conhece bem a Fórmula Indy, não acha que é isso que está na base da bagunça reinante nos Estados Unidos?

O aumento ou não do número de provas será um bom indicador da força política da Fórmula 1 pós-Bernie. Torço para que as coisas sigam equilibradas e funcionando. Doeria muito ver a Fórmula 1 refém de uma crise como a que atinge o campeonato americano, que nem nome direito tem.

+++

Mas a gente fala, fala e até hoje não passou para os leitores o calendário de 2002. Aí vai:

3 de março: GP da Austrália
17 de março: GP da Malásia
31 de março: GP do Brasil
14 de abril: GP de San Marino
28 de abril: GP da Espanha
12 de maio: GP da Áustria
26 de maio: GP de Mônaco
9 de junho: GP do Canadá
23 de junho: GP da Europa
7 de julho: GP da Inglaterra
21 de julho: GP da França
28 de julho: GP da Alemanha
18 de agosto: GP da Hungria
1 de setembro: GP da Bélgica
15 de setembro: GP da Itália
29 de setembro: GP dos Estados Unidos
13 de outubro: GP do Japão

+++

Aproveitando o tema e atendendo ao pedido de muita gente, insiro nesta carta mais alguns dos maravilhosos quadros pintados por Michael Turner e seu filho Graham. O trabalho de ambos pode ser melhor conhecido e mesmo adquirido no sitewww.studio88.co.uk.

 

+++

Esta é a última correspondência do ano. A partir de segunda até dia 11 de janeiro, Panda e eu preparamos atrações especiais para os leitores do GPTotal. Dias 24, 26 e 28, uma coleção de frases marcantes ditas por pilotos, dirigentes, jornalistas e público, com um belo tratamento gráfico dado pelo nosso webmaster Maurício Ventanila.

Dias 31, 2, 4, 7, 9 e 11, vamos passar em revista os mais belos carros de Fórmula 1, desde os anos 50 até hoje. Não percam!

Feliz Natal para todos os leitores que nos honraram com sua leitura e um 2002 com muita paz e grandes corridas.

Recebam o abraço do

Eduardo Correa


Eduardo Correa
Eduardo Correa
Jornalista, autor do livro "Fórmula 1, Pela Glória e Pela Pátria", acompanha a categoria desde 1968

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *