Sessão Convidados
Escreva pra gente
Friends
17.08.2011
Fangio begins
Top Five para o Red Five II
Comente
10.05.11
Nossos leitores comentam o GP da Turquia
Nossos leitores comentam o GP da Austrália
Opiniões e Dúvidas dos Leitores
16.08.11
Cartas - Segunda quinzena de Agosto
Cartas - Primeira quinzena de Agosto
Pergunte ao GPTotal
Julho
Um maluco, dois tristes
Sobre tamanhos e ultrapassagens
mais
11.08.11 - Roberto Agresti
Talvez sim, talvez não
17.05.11 - Eduardo Correa
Mauro
18.09.09 - Luis Fernando Ramos
O melhor Rubinho, o Rubinho de sempre
12.12.08 - Alessandra Alves
Carta ao editor
27.10.08 - Luiz Alberto Pandini
Micos brasileiros III
mais
12.03.06
Confira a classificação
12.03.06
Pilotos e Equipes
mais
Home » Convidados » Ernesto Rodrigues » 21.09.09
Aumente o tamanho das letras:
12 | 16 | 20
O parasita fanfarrão 21.09.09


Os editores, colunistas e leitores do Gepeto desejam ao sr Flavio Briatore um longo ostracismo no diabo que o carregue!
Sobre o impacto e a os danos sofridos pela Fórmula 1 com a falcatrua de Briatore e Nelsinho Piquet em Cingapura, Fábio Seixas, no texto publicado na Folha de S. Paulo de 17 de setembro, e em sua coluna do dia 19 - quando arrematou o assunto citando o resgate feito por Luiz Alberto Pandini de uma trapaça ainda mais antiga, envolvendo Achille Varzi e Tazio Nuvolari no GP de Trípoli de 1933 (coluna Escândalos!!!, de 16/04/04) - já colocou todos os pingos nos “is”.

De quebra, Fábio desmontou a tese infeliz dos que nivelam a fraude da Renault a outros episódios da Fórmula 1 recente, vergonhosos sim, mas incomparavelmente menos criminosos e menos nefastos para o esporte, como as batidas de Prost e Senna em Suzuka, o golpe fracassado de Schumacher contra Villeneuve em Jerez e a marmelada ferrarista na Áustria, em 2002. Querer igualar esses episódios ao caso de Cingapura, na minha opinião, é ignorar o próprio significado da palavra gravidade.

Com o banimento de Briatore da F1, anunciado agora pouco, independentemente do que sobrará de prestígio e dignidade para a categoria, resta, no meu caso, fazer algo que nunca apreciei fazer, tanto como jornalista quanto como cidadão: chutar cachorro morto. E o faço porque Briatore merece quantos chutes puderem ser dados em seu misterioso traseiro. E merece porque personifica e representa o que de pior aconteceu com a categoria no processo que a transformou no evento bilionário dos dias de hoje.

Ao contrário de outros chefões que começaram como mecânicos ou pilotos e que, eu sei, também estão longe de serem versões automobilísticas de Madre Tereza de Calcutá, Briatore é um alpinista social sem qualquer apreço pela Fórmula 1 e pelos que fazem dela um espetáculo esportivo inigualável. O agora ex-diretor da Renault perpetrou ou patrocinou sacanagens sem constrangimento algum e com aquele prazer arrogante dos que corrompem ou subornam tudo e todos que estão à sua volta.

Não era necessário conversar com Briatore para perceber o orgulho que ele sentia de sua condição de canalha intocável e poderoso. Bastava prestar atenção nas câmeras da Fórmula 1 durante os grandes prêmios para comprovarmos a alegria com que ele encarnava uma espécie de versão Caras da Cosa Nostra. Mais intensa do que a insaciável obsessão pela notoriedade, no entanto, só a disposição com que esse parasita fanfarrão banalizou e desrespeitou as paixões e emoções que ainda restam na mais importante categoria do automobilismo mundial.

Esse ingrediente a mais da personalidade (?) de Briatore o tornou especialmente nocivo à Fórmula 1 que todos nós amamos e queremos preservar em meio às poderosas forças da indústria do esporte. Um ingrediente que não permite que nós o coloquemos no mesmo motor home ético e moral de Ron Dennis, Frank Williams, Patrick Head, Jean Todt, Ross Brawn e outros chefes da categoria. Para explicitar essa diferença, vale citar aqui a frase de Lito Cavalcanti, em entrevista que me deu em agosto de 2003 para o livro Ayrton, o herói revelado:

"Quem gosta do Flavio Briatore é a mãe dele, assim mesmo com restrições".

Ernesto Rodrigues

 Leia mais colunas de Ernesto | Envie a coluna para um amigo | Voltar
anuncie | quem somos Apoio: Interactive Fan  |  Red Cube Tecnologia e Comunicação