Pecunia non olet! – final

Outras equipes além da Ferrari também se beneficiaram – e beneficiam – de seu envolvimento no terreno militar.

Assim temos a McLaren, cuja colaboração com a BAE Systems lhe rendeu muitos bons resultados. A BAE é uma das maiores empresas no ramo da alta tecnologia militar, com cerca de cem mil empregados em vários países. Em 1996, McLaren e BAE chegam a um acordo de patrocínio e colaboração mediante o qual a McLaren receberia a assistência da BAE em programas CFD (dinâmica de fluidos computacional), para o desenvolvimento da aerodinâmica de seus carros em túnel de vento.

Por sua parte, a McLaren se ocuparia de ajudar no desenvolvimento e provas de novos programas e sistemas para a BAE, que se beneficiava da versatilidade dos engenheiros da McLaren e dos testes que a equipe levaria a cabo de seus novos sistemas nas duras e exigentes condições da competição.

Continue reading

Pecunia non olet! – parte I

No ano 69 do Nosso Senhor, Vespasiano é proclamado imperador de Roma que, após o suicídio de Nero, tinha entrado num periodo convulso, que havia levado a metrópole a um lamentável estado social e à beira da falência. Assim, seu primeiro objetivo foi restabelecer a ordem e sanear as finanças. Para tal fim, impôs mais austeridade, suprimindo o luxo e os fastos de anteriores imperadores e aumentando os impostos. Criou, inclusive, alguns novos, como o chamado “Vectigal Urinae”, que gravava a urina das latrinas públicas e que era muito apreciada pelos curtidores, pisoeiros e tintureiros da época. Portanto, estes, se queriam seguir dispondo de tão prezado produto, deviam pagar o imposto correspondente.

Continue reading

Competição ou jogo? – final

Confira a primeira parte clicando aqui.

Na década dos anos 2000, a percentagem se mantem praticamente igual (mas sem esses quatro ases) e, perante as reclamações de que as corridas estavam sendo previsíveis demais (o que se confirma com estes percentagens) a FIA estabelece o fornecedor único de pneus esperando aumentar a igualdade entre as equipes e promover uma maior competitividade e emoção.

Continue reading