Um tributo ao saudosismo

No dia 04 de setembro a NASCAR teve um dos eventos mais aguardados do ano. Foi o dia da corrida de Darlington, a lendária pista que guarda tantas histórias na categoria. Mas por que foi um dos fins de semanas mais aguardados do ano? Trinta e seis, dos quarenta carros presentes na pista, prestaram homenagens à grandes carros, pilotos e patrocinadores na história da NASCAR. Foi um show de saudosismo, pra qualquer fã da categoria lembrar dos bons tempos e se emocionar.

Esse mesmo tipo de evento, chamado de Throwback weekend, teve seu início nessa mesma pista, em 2015, depois da prova voltar ao seu calendário original, sempre sendo realizado no fim de semana do dia do trabalho dos Americanos.

A ideia como é hoje surgiu no ano passado, porém um primeiro experimento foi realizado anos antes, quando as paredes de algumas pistas foram pintadas em cores tradicionais, o que chamou a atenção de fãs e imprensa de forma positiva.

Para nossa alegria, os americanos não brincam em serviço quando resolvem fazer um evento especial. Não foram apenas os carros que trouxeram as cores dos antigos bólidos vencedores, mas toda a estrutura da pista entrou na jogada.

A pintura nos pneus foi feita utilizando o mesmo layout dos anos 70, os pilotos usaram macacões que lembravam os antigos modelos, as equipes nos boxes também utilizaram roupas semelhantes, a equipe de transmissão colocou suas roupas da época, trouxeram antigos comentaristas e narradores, as esposas dos pilotos colocaram roupas dos anos 70 e capricharam nos penteados, além de muitas outras ideias sensacionais, como pedir para o grande Cale Yarborough, cinco vezes vencedor na pista, dirigir o pace car nas voltas iniciais. Foi muito emocionante ver um dos grandes nomes dos anos 70 de volta às pistas. Ao visitar o Instagram da NASCAR é possível ver pôsteres antigos, fotografias Polaroid, entrevistas de pilotos antigos e muito mais.

Realmente sensacional, vale dar uma olhada.

Esse tipo de evento não traz somente mídia para a categoria mas enaltece grandes pilotos, lembra grandes apoiadores da categoria, traz de volta grandes nomes que contribuíram para o sucesso e evolução da categoria, mas, acima de tudo, promove uma onda de saudosismo que faz muito bem para os fãs da NASCAR. Todo mundo, em qualquer âmbito da vida, gosta de relembrar as coisas boas de um passado que não volta. Olhar fotos antigas da família sempre foi um dos passatempos preferidos de boa parte das pessoas e com carros de corrida isso é ainda mais presente. Quem não lembra com saudosismo de grandes carros como a Lotus preta de Senna, a Mclaren Marlboro dos tempos de ouro, as Ferrari de Gilles e Schumacher, a Tyrrel de seis pneus, a Williams de outro planeta e tantos outros. Não é por acaso que temos tantos museus de carros pelo mundo.

Ver os carros desfilando na velha pista de Darlington foi um show à parte. Alguns pilotos homenagearam pilotos, outros homenagearam seus patrocinadores ou simplesmente quem estava na pista. Carl Edwards prestou uma bela homenagem à Tony Stewart, que irá se aposentar esse ano, utilizando as cores que o velho Smoke utilizou em boa parte da sua vencedora carreira. Em um determinado momento da corrida, Stewart disse no rádio que parecia que estava fora de seu corpo e que estava vendo ele mesmo na pista. Com certeza vai ser uma bela lembrança para o piloto do carro 14.

Falando um pouco sobre as homenagens, tivemos carros belíssimos na pista.

Jamie McMurray trouxe de volta o carro de Bill Elliot de 1997, conhecido como “Mac Tonight”, Kevin Harvick usou as cores de Cale Yarborough dos anos de 1979 e 1980, Kasey Kahne correu com as cores de Terry Labonte e seu carro de 1982, Travor Bayne prestou homenagem à Mark Martin e seu belo carro das temporadas de 1996 e 1997, com certeza um dos mais bonitos do grid. Denny Hamlin utilizou as cores do tricampeão Darrell Waltrip, Tony Stewart homenageou Bobby Allison e seu lindo carro patrocinado pela Coca-Cola. Darrell Waltrip também foi homenageado por Rick Stenhouse Jr., que correu com as mesmas cores de Darrell em sua primeira vitória na categoria. Kyle Busch utilizou o lindo carro de Dale Jarret do ano de 1993. Um dos destaques foi o carro de Matt Kenseth, que trouxe a lendária marca Tide e seu carro nas cores laranja e branco, também utilizado por Darrell Waltrip e Rick Rudd. Aric Almirola prestou sua homenagem à Richard Petty, o maior vencedor da categoria, em seu esquema de pintura de 1979. Jimmie Johnson usou as cores de um carro que seria de Dale Earnhardt em 1979, porém o Intimidator estava machucado e seu carro foi pilotado por David Pearson. O vencedor da prova, Martin Truex Jr. prestou uma homenagem ao centenário de seu principal patrocinador. Jeff Gordon, pilotando o carro de Dale Jr., utilizou as cores de Buddy Baker e seu carro de 1980.

Aqui estão imagens dos carros e suas homenagens. Uma mais linda que a outra.

Esse conceito de utilizar cores e logos que remetem ao passado não é exclusividade da NASCAR, outros esportes, como a NBA, já fizeram antes. Para os fãs é um prato cheio e vale muito a pena acompanhar tudo o que é feito, desde os comerciais para a TV, as homenagens, a transmissão, as redes sociais e claro, a corrida. O sentimento após a corrida é de ter presenciado uma experiência única e a gente já fica querendo que a corrida do ano que vem chegue logo para ver as belas pinturas “antigas”. Sem dúvida a corrida de Darlington se tornou um dos eventos mais esperados do ano para a NASCAR, e assim deve ser pelos próximos 3 anos, enquanto esse evento continuar com essa temática.

Para vocês qual foi a homenagem mais legal? Qual carro mais bonito? Minha escolha esse ano vai para Carl Yarborough pilotando o pace car e a pintura de Aric Almirola em homenagem ao The King.

Após a última corrida do fim de semana, em Richmond, tivemos a definição do Chase para a temporada 2016. Os pilotos classificados são: Kyle Busch, Tony Stewart, Kurt Busch, Joey Logano, Carl Edwards, Denny Hamlin, Kevin Harvick, Matt Kenseth, Brad Kaselowski, Chris Buescher, Martin Truex Jr., Chase Elliott, Kyle Larson, Jimmie Johnson, Austin Dyllon e Jamie McMurray. A partir de agora entraremos na fase mais ferrenha do campeonato e os pilotos não vão aliviar o pé. Esse ano teremos um Chase com grandes pilotos veteranos, alguns novatos e um azarão. Alguém arrisca que serão os primeiros eliminados?

Um abraço e até a próxima.
Rafael Mansano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *