Soma de todos os medos

A F1 começou duas semanas atrás em Melbourne e chega para sua segunda etapa na China.

A temporada de 2017 tem tudo para ser o enredo de um filme. Novos protagonistas, novo regulamento, uma nova trama novinha para nós. Por enquanto eu definiria como a “Soma de todos os medos”, aquele filme que o cara salva o presidente mas o mundo explode do mesmo jeito. Ou traduzindo para Fórmula 1, fizemos um carro mais rápido mas a corrida mesmo gente… Olha…

icone separador

Todos sabemos que domínios são cíclicos. Tivemos recentemente a Ferrari, a Red Bull. Vivemos a era da Mercedes. O problema atual é que o pessoal do time alemão “não sabe brincar”. Vamos aos números?

A Mercedes está na sua segunda aparição na F1, 1954-1955 e de 2012 até o momento. Nessas duas passagens somam-se 149 corridas. E aí começa ficar interessante. A China representa a prova 150 da equipe e nessa prova podem atingir a 75º pole-position e a 65º vitória. Isso mesmo: 50% das vezes que estiveram no grid, foi na pole-position e compeltaram na frente mais de 43% das provas que iniciaram.

Tudo isso com o requinte de crueldade de ser – após a saída da Manor – a equipe de F1 com menos largadas no grid. A “concorrente” mais proxima é a Force India que iniciará na China seu GP número 173.

Não parece que uma “sacudida” no regulamento mudará esse jogo tão cedo.

icone separador

No começo dos testes de inverno, até pareceu que a Williams mostraria alguma carta interessante para ser um a equipe cliente da Mercedes que lutasse pelo pódios constantemente. Havia esperança das corridas do time só serem novamente estragadas por péssimas escolhas estratégicas.

O medo venceu a esperança.

Williams é o carro médio. Um chassi médio. Tão médio que não luta na frente e não se mistura no meio do pelotão. Corre sozinha.

Paddy Lowe chegou, tem tudo para direcionar o desenvolvimento do carro na direção da luta com a Red Bull. Por enquanto a Williams só serve para mostrar ao mundo que o Time da Mercedes sabe fazer um bom motor e um excelente chassi.

Pra China podemos esperar uma boa vantagem dos seus carros na grande reta, mas é pouco para um time com 164 vitórias na categoria, não?

icone separador

Nessa prova Chinesa teremos uma visão um pouco mais clara de como se comportam as novas regras num autódromo. Tudo bem que a reta é atípica, mas se o clima caótico da região permitir, saberemos se a evolução de velocidade e downforce realmente prejudicou muito a disputa por ultrapassagens na pista.

A grande expectativa fica para a possível disputa entre Hamilton e Vettel. Será que os dois serão realmente os polarizadores da temporada? Dentro da Mercedes, Hamilton reina sozinho. O atual campeão do mundo deixou seu lugar vago que foi ocupado por um rápido piloto mas que, por a chance de uma vitória ou outra, aceitou a condição clara de segundo piloto. Na Ferrari, Raikkonen ainda precisa mostrar a motivação de outras épocas (como na Lotus) e vencer a força mental de Vettel. Dessa forma, uma disputa entre Vettel e Hamilton pelo título se desenha cada vez mais interessante. Dois jovens pilotos (ironicamente Hamilton é o mais velho da dupla) com ainda alguns bons anos de F1 pela frente podem acender uma chama de rivlaidade um pouco esquecida na F1, com mais disputas nas pistas e menos disputas nos bastidores e entrevistas coletivas.

Hamilton já declarou que está ansioso para dividir umas freadas com o alemão da Ferrari.

Para nós resta esperar que as equipes tenham carros competitivos durante todo o ano. O cenário é animador.

icone separador

A grande expectativa (negativa) é para a McLaren-Honda nessa chegada ao retão Chinês. Não há alma viva que não aposte em um vexame faraônico O desaparecimento da Mclaren como time grande é o grande medo de 2017.

Sem patrocínios expressivos. Sem motor. Sua equipe técnica em check. A Mclaren é uma grande empresa de tecnologia (assim como a Williams), super bem sucedida e lucrativa, mas que sumiu da F1. É um sopro.

Em Melbourne, Vandoorne conseguiu a proeza de chegar 2 voltas atrás. Será que Alonso receberá essa mesma humilhação em território chinês.

icone separador

Sente aí a saúde do motor Honda!

icone separador

Para os amigos da Red Bull, nem tudo está perdido. Continuam em observação. O carro não brigou por nada de útil em Melbourne? Não há motivo para pânico. Deu medo, sim, deu medo. Mas vamos adicionar nessa matemática os anos de 2009 e 2011. Em 2009 a Brawn humilhou o pessoal com seu difusor duplo, mas depois das férias de verão a Red Bull já estava em posição de vencer. Pule para 2011 e o time azul sofreu as restrições do difusor soprado, mas seu projeto continuou supremo.

Apesar do medo, as bases dos projetos de Newey sempre evolui durante o campeonato. A China não é o cenário ideal para o motor TAG-HEUR/Renault esticar as canelas, mas não é prudente descartar o time azul do restante da temporada.

icone separador

Obviamente a turma do pelotão do meio segue deliciosamente misturada. Force India, Haas e Toro Rosso veem um poquinho na frente, deixando Renault, Sauber e Mclaren com as posições inferiores. Mas é tudo bastante compacto.

O “centrão” da F1 continua o mais divertido e a cada corrida devemos ter os lideres dessa turma se alternando. Tudo indica que a Haas e Force India estarão mais a frente na China. Seus motores superam os da concorrência. Para piorar o cenário, a Renault (e seus clientes, consequentemente) ainda usa o sistema de recuperação de energia do ano passado, mais pesado e menos eficiente. Não é a melhor pista para lidar com essa desvantagem.

icone separador

Melhore momentos da prova da Austrália, só que onboard.

icone separador

Ficha do Grande Premio da China de Fórmula 1

Heineken Chinese Grand Prix

Edições: 14 (2004-2017)
Perimetro: 5451 metros
Voltas: 56 (305.066 km)
Volta mais rápida: 1’32.238 (2004 – M.Schumacher – Ferrari)

Lembrando 2016

Vitória: Nico Rosberg – Mercedes – 1:38’53.891
Pole position: 1’35.402 (Nico Rosberg – Mercedes)
Volta mais rápida (em corrida): 1’39.824 (Nico Hülkenberg – Force India/Mercedes)

Pirelli - Medios - Macios - Super Macios

Circuito da China

Na China, temos a chance de ver a F1 fora de um circuito atípico, como um circuito de rua. Será um primeiro indicio do que vem por aí em 2017. Nossos medos são justificados? Pedimos carros mais velozes e perdemos toda a chance de ver disputas por posições?

Temos que aguardar a largar e o clima chines!

Boa prova a todos!

Abraços
Flaviz Guerra

3 thoughts on “Soma de todos os medos

  1. Flaviz

    Espero que este GP nos faça literalmente perder o sono, pois não vai ser fácil acordar as 3 da matina.

    Abraço e um excelente GP a todos!

    Mauro Santana
    Curitiba-PR

    1. Mauro,
      esqueci de pensar nisso … ainda mais que amanha vou para casa de minha filha e vai rolar uma cervejada … será que eu lembro de por o relogio para me acordar???? …. hehehehe

      Fernando Marques

  2. Flavis,

    o GP da China pelo visto vai ser daqueles imprevisíveis por causa do mau tempo.
    Estes números da Mercedes na Formula 1 são impressionantes.
    Existe expectativa neste início de temporada … aliás é sempre assim … mas existe um regulamento novo … e com isso a expectativa está maior …
    A unica expectativa que não está expectativa é a Mclaren … a falta dela é sentida muito lá no bolo da frente … onde é o seu devido lugar …

    Fernando Marques
    Niterói RJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *