Temporada 2014 – parte I

Está aberta a “Silly Season” do GPTotal! Os colunistas do site responderam oito perguntas a respeito da temporada de 2014 — que traz muitas expectativas, muitas dúvidas, e poucas certezas. Os temas foram pré-selecionados pela equipe, e cada um respondeu-as individualmente, sem ter conhecimento da opinião dos colegas.

Durante essa última semana de janeiro, você verá as questões sendo respondidas pelo Edu, pela Alê, pelo Flaviz, pelo Lucas, pelo Márcio, pelo Chiesa, pelo Marcel e pelo Manuel.

Convidamos você, amigo leitor, a dar suas respostas.

Quem vai produzir o melhor motor turbo?

Eduardo Correa: A Honda mas isso não deve fazer diferença, principalmente depois das corridas iniciais pois se alguém fizer um motor muito melhor ou muito pior – dá no mesmo -, as autoridades vão intervir, permitindo correções até que tudo esteja nivelado, como vimos nos últimos anos.

Alessandra Alves: Quem parece estar trabalhando há mais tempo no novo motor é a Mercedes, então, deve estar mais adiantada no desenvolvimento dele. Mas uma coisa é divulgar que se está trabalhando e outra é fazer isso na base do come quieto. Então, pode ter fábrica trabalhando na surdina e aparecer com um canhão mais potente que o dos alemães. Como ficar em silêncio também não é o estilo da Ferrari, acho pouco provável que a casa de Maranello seja esta surpresa. Torço para queimar a língua, pois seria ótimo ter a Ferrari competitiva novamente, com essa extraordinária dupla de pilotos.

Carlos Chiesa: Melhor seria dizer melhor conjunto motriz ou power plant. Como o motor não estará sozinho e além da durabilidade terá que consumir pouco, penso que poderemos ter um melhor em potencia mas pior em durabilidade, outro bom em consumo e durabilidade mas ruim em potencia e assim por diante. Terá mais chances no campeonato quem conseguir a melhor média do conjunto nos três quesitos. Aposto na Repco… Definitivamente os BRM X16 não terão chance.

Flaviano Guerra:  Posso parecer muito idealista, mas acredito que a Ferrari vai apresentar o melhor pacote. Foram eles os únicos que não mostraram fotos, sons, brincadeirinhas e gracejos do novo conjunto motriz. trabalharam quietinhos em silêncio. Ainda colocaram um carro de rua na sua pista particular equipado com o motor para ganhar tempo de pista. Pode ser que tenham descoberto algo relevante para o funcionamento do conjunto e é melhor esconder o jogo até o momento que os concorrentes não tiverem mais tempo para copiar.

Lucas Giavoni: Mercedes, ao menos num 1º momento, parece apresentar uma cavalaria maior. Mas não se sabe ainda quanto ao consumo – e o melhor motor nesse novo regulamento vai ser aquele que consumir menos. É possível que a FIA queira, de alguma forma, “equalizar” as usinas num futuro breve.

Manuel Blanco: Mercedes-Benz.

Marcel Pilatti: Se eu pensasse somente em potência, escolheria entre Merecedes e Ferrari, especialmente a alemã. Porém, a palavra principal para decretar a eficiência dos V6 é consumo. Arrisco que a Renault conseguirá o “melhor” motor, portanto.

Márcio Madeira: Mercedes.

httpv://youtu.be/nRHeMpk1x1k

A dinâmica dos GPs vai mudar muito com o novo regulamento de motores?

Edu: Sim! Christian Horner teme muitas quebras nas corridas iniciais e todos temem ficar sem gasolina no final da corrida. E ninguém sabe ainda como os carros reagirão aos novos pneus, se bem que este tende a ser um problema menor do que foi no ano passado. Por tudo isso, é bem possível que as disputas em pista sejam muito mais discretas, os ganhos de posição voltando a serem feitos prioritariamente durante os pit stops.

Alê: Mais do que uma possibilidade, esse parece ser o desejo da cúpula da F1. Pneus farofa, DRS, obrigatoriedade de pit stops e de uso dos dois compostos utilizados em cada prova: nada disso tem sido suficiente para criar uma maioria de corridas menos entediante para a média do público. Mexer na confiabilidade pode ser uma solução. Momentânea, claro. Os gênios da engenharia chegarão ao balanço ideal antes do fim da temporada. Como diz o personagem do Jeff Goldblum em “Parque dos Dinossauros”, “… life finds a way…” (A vida encontra um jeito).

Chiesa: Penso que o item consumo de combustível poderá ser um fator de desequilíbrio. Lembram de uma fase em que os pilotos tinham que desacelerar no final da corrida e balançar o carro de um lado pro outro na volta final, independente do que tivessem feito antes?

Flaviz:Vai mudar muito na primeira corrida, na segunda, no máximo até a terceira. Depois o pessoal acostuma e volta tudo ao normal. Agora quero ver como vão fazer para explicar todas as mudanças para os telespectadores durante a corrida. Seria o máximo ver Prost correndo nessa turma, um verdadeiro jogo de xadrez para o professor.

Giavoni: Não, pois ainda serão os pneus, novamente farofentos, quem determinarão o andamento das corridas. A única mudança será a questão do consumo de combustível, que deve fazer alguns conjuntos diminuírem bastante o ritmo no final.

Blanco: ???

Pilatti: Não creio que aconteça uma mudança abrupta, como em 1994 ou 2009. Creio que teremos algo como ano passado, em que nas etapas da Oceania/Ásia testemunhamos um aparente caos e, depois, a “normalidade” voltou.

Madeira: Sim, principalmente no início do ano. Aposto em algo remetendo a 1988, pilotos correndo abaixo do limite possível por questões de economia, tanto de combustível quanto de motores. Treinos, voltas iniciais, estratégia e negociação com retardatários devem ganhar importância na definição do resultado final.

Quem vai ser o campeão?

Edu: Sebastian Vettel e a RBR.

Alê: Aposto no penta de Vettel. Nos construtores, acho que a Ferrari vai conseguir seu intento e voltar ao título.

Chiesa: Estamos falando de futebol? Não? Então desculpem, meu departamento de chutes só funciona no futebol. Antes dos testes e da primeira corrida, acho que qualquer possibilidade vale, exceto Caterham e Marussia. Ou será que… de repente…?

Giavoni: Vettel entre pilotos, Mercedes entre construtores.

Flaviz: Raikkonen nos pilotos. RBR nos construtores. E será o fim de Alonso (contra meu gosto) que vai dividir com o Webber um Porsche em Le Mans 2015.

Blanco: Quem obter mais pontos. Possivelmente Vettel.

Pilatti: Vou fazer uma aposta arriscadíssima… Sebastian Vettel.

Madeira: Ferrari nos contrutores, Vettel entre os pilotos.

12 thoughts on “Temporada 2014 – parte I

  1. Senhores!

    Uma pergunta:

    Para esta temporada de 2014, quem é o piloto mais velho em termos de idade e com mais GPs disputados?

    Abraço!

    1. Oi, Mauro!

      O mais velho: Kimi Räikkönen (34 anos completados em outubro último, chegará ao fim da temporada com 35).

      O com mais GPs: Jenson Button (já são 251 participações. Chegará ao fim da temporada como terceiro piloto que mais correu, só abaixo de Barrichello e Schumacher).

      Abraços!
      Marcel

  2. Vamos lá:

    1) Os novos motores turbos podem até definir alguma corrida no inicio em razão do regulamento. Não acredito que um motor mais potente venha a ser fator predominante para se ganhar corridas. A palavra chave é economia. Quem conseguir economizar principalmente nos primeiros 2/3 das corridas vai ter uma grande vantagem no terço final.

    2) A dinâmica das corridas vai depender principalmente do consumo dos pneus. Quem tiver com o melhor conjunto no inicio pode conseguir uma boa gordura para queimar no restante do campeonato.

    3) Quem vai ser o campeão: torço que seja o Kimi Raikkonen nos pilotos para quebrar a hegemonia do vettel. Nos construtores a Ferrari possui a melhor dupla e pode se beneficiar disso. A RBR ficou mais fraca neste sentido

    Fernando Marques
    Niterói RJ

  3. Segue minha lista:
    1) Renault já era o motor mais equilibrado antes dos turbos, deve manter a tendência.
    2) De maneira leve. A troca de pneus é o principal ponto de estratégia das equipes.
    3) Alonso, pra tirar a barriga da miséria.

    Abraços

  4. amigos

    Meus palpites sobre as três perguntas:

    1. Por tudo o que li até agora o motor Mercedes tem sido o mais consistente em potência e consumo, voto nele
    Só chamo a atenção para o ponto que eu acho que não haverá tantas quebras como nos anos 70/80, naquele tempo as pressões do turbo e os materiais usados facilitavam muito a fadiga que produzia tanta quebra, hoje é mais fácil simular tudo e testar materiais antes de colocar o carro na pista

    2. Numa era onde a telemetria monitora tudo, o que deve haver é muito rádio entre equipe e pilotos nesse inicio de temporada, quem tiver a melhor equipe de engenheiros , com velocidade e capacidade para adaptar a situação da pista com o desempenho do carro vai se sobressair, ano passado esse ponto já me chamou a atenção na corrida de Monza , os engenheiros da Red Bull conversaram muito com Vettel e passaram muitas dicas de como ele precisava pilotar para levar o carro até o final da prova com o problema de câmbio, esse ano isso vai ser recorrente, dificilmente veremos cenas de carros parando nas ultimas voltas sem combustível, como no passado, vamos ver sim pilotos tirando o pé para chegar ao final, esse deve ser um elemento de emoção

    3. quem vai ser campeão?
    aposto na melhor eficiência do time da Red Bull, como equipe eles tem apresentado uma evolução muito grande nos ultimos três anos, esse fator vai ser diferencial , por esse aspecto aposto no penta de Vettel e outro campeonato de construtores para a Red Bull, só erro se Newey errar no projeto
    Também veremos alguns pilotos se sobressair na condução que vai exigir mais visão e estratégia de corrida, meus nomes para esse tipo de situação: Alonso e Vettel

    Aproveito para dizer que nas ultimas semanas entrei numa imersão de Fórmula 1, assisti vários videos , um me chamou a atenção e recomendo aos amigos, trata-se de “1” , documentário lançado no final do ano, em seu final tem uma música que faz o fechamento do filme, seu título: open yours eyes , gostei da analogia com o que é abordado sobre a evolução da Fórmula 1 nas ultimas décadas, por isso vou assistir a temporada de 2014 de olhos bem abertos, quem sabe esse não é um ano diferente

    abraços

    Mário

      1. oi Mauro

        Na verdade recebi os arquivos desse documentário como do filme Rush de uma pessoa que baixou pelo torrent, em full HD, imagens e som perfeitos mas sem legenda, recomendo assistir “1” é muito bem elaborado e no geral dou boa nota a produção e roteiro, o único senão é que Herbie Blush é o principal consultor técnico e fica a impressão do filme ser um pouco chapa branca para a gestão de Bernie Ecclestone, mas nada que retire uma boa impressão minha ao assistir, precisa só de uma boa dose de paciência são mais de 3 gigas de tamanho o que faz o download ser demorado, vou pegar o link para passar a posterior

        abraços

        Mário

  5. Melhor motor turbo?
    Mercedes, mas nem tanto quanto dizem por aí.

    Mudança na dinâmica das corridas?
    Talvez no começo do ano, nenos ultrapassagens por um medo de elevar o consumo nas brigas por posições. Mas acho que o consumo não será um problema tão sério e, mais para o final do ano as coisas voltarão ao normal.

    Campeão?
    Rosberg e Mercedes. Aposto ainda em boas atuações de Williams, Massa e Bottas (essa quero ver quem crava).

  6. Minha opinião:
    1) Mercedes, em potência. Ferrari, em confiabilidade. Renault, em consumo de combustível. Se um desses fatores se sobressair em relação aos outros, será a favorecida. Para sair do muro: Renault.
    2) As primeiras corridas tendem a ser caóticas, ainda mais que o clima poderá influenciar. Se os pneus de papel não serem um fator tão forte, o que mudará será na economia de combustível, com os pilotos tendo que dosar seu ritmo durante a prova, principalmente no último terço.
    3) Alonso e Ferrari. Chute puro e simples, mas acho que a Ferrari vem forte. A Red Bull poderá ter novamente o melhor carro, porém a equipe demorou dois anos para ter um carro infalível nessa última era da F1. E a confiabilidade tende a ser crucial em 2014.

    1. Bem lembrada a questão do clima, João Carlos.
      Os novos carros devem ser bem mais sensíveis às temperaturas altas e as primeiras provas do ano devem ser disputadas sob calor intenso.
      Uma quebra de motor, dado o reduzido número de unidades disponíveis ao longo do ano, pode ter consequências sérias para o futuro.
      Abraços
      Edu

  7. Olá Amigos do GEPETO!!!

    Faço minhas as respostas do Edu, e vamos aguardar logo o início da temporada, visto que os testes de pré temporada não são maissss aqueles de antigamente.

    E na minha opinião, até o momento o carro da Sauber é o mais bonito.

    Tomara também que seja verdade este boato que esta rolando que a Martini irá patrocinar a Williams.

    Abraço a todos!

    Mauro Santana
    Curitiba-PR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *