A 300 km por hora – parte 2

A 300 km por hora – parte 1
14/02/2018
A 300 km por hora – final
19/02/2018

Confira o início desta saga clicando aqui.

A temporada de 1963 começa como a anterior : com vitória de Hill. Ainda que nesta ocasião o cenário foi Mônaco. Contudo nessa temporada Clark contava com o inalcançável Lotus 25 e, ainda que Hill também venceria em Watkins Glenn, só conseguiu o vice- campeonato. Contudo, Hill teria a satisfação de vencer 5 provas de Sport Car na Inglaterra, sendo a Tourist Trophy em Goodwood a mais importante, e também conseguir um bom 3º lugar nas 12h de Sebring.

Em 1964 Hill voltaria a ser vice campeão com outras duas vitórias (novamente em Monaco), apesar de que o BRM P60 já começava a mostrar sinais de esgotamento. Especialmente dramático foi o GP do México de 1964, onde Hill, Clark e Surtees estavam em condições de se proclamar campeões. Hill era quem estava em melhor posiçao para levar o titulo pois liderava a tabela com 39 pontos, enquanto Surtees tinha 34 e Clark 30. Na largada é Clark quem pula na frente desde a pole com Gurney no seu encalço, enquanto que Hill e Lorenzo Bandini, companheiro de Surtees na Ferrari, disputavam a 3ª posição, com Surtees distante no 5º lugar.

Em certo momento da corrida, Bandini golpeia a traseira do BRM de Hill e este quase vai para fora da pista, perdendo varias posições. Contudo o pior é que a batida havia danificado um escapamento do BRM e este já não rendia como antes, deixando Hill sem condições de recuperar posições. Naqueles momentos o titulo estava nas mãos de Clark até que, na penúltima volta, seu Lotus, com problemas de motor, perde rendimento deixando a liderança para Gurney com Bandini e Surtess a continuação. Ao passar pelos boxes no inicio da última volta, a Bandini se lhe ordena ceder a posição a Surtees, pois com a 11ª posição de Hill e a 5ª de Clark, a Surtees lhe bastava o segundo lugar para ser campeão. Cabe recordar que Surtees foi campeao com 40 pontos, enquanto Hill ficou com 39 depois dos descartes, pois havia conseguido 41 em total.

Em 1965 e uma vez mais, Hill seria vice campeão, repetindo vitórias em Monaco e em Watkins Glenn. A vitória no principado, segundo o próprio Hill, foi a  maior de sua carreira. Partindo desde a pole, Hill assume a liderança com facilidade até que, na volta 25, na saída do túnel, repentinamente, se encontra com o Brabham de Bob Anderson na chicane e a ritmo lento com problemas no carro, portanto Hill, para evitar a batida, tem de ir para a zona de escape.

Porém, para sair dali, Hill teve de descer do carro e empurrá-lo de volta à pista, entrando nela em 5ª posição. Então, Hill começaria uma primorosa corrida de recuperação, tendo pela frente a Stewart, Bandini, Surtees e Brabham. Na volta 64, Hill já era segundo no encalço de Bandini, a quem superaria na volta seguinte para dominar as restantes 35 voltas com um ritmo que ninguém foi capaz de seguir e batendo o recorde de volta rápida do circuito em varias ocasiões.

Entretanto, em 1966 o BRM P60 já não podia competir em igualdade de condições com seus rivais e, apesar de que a temporada começou bem com vitória de Jackie Stewart e o terceiro lugar de Hill em Monaco, ambos sofreriam cinco abandonos cada um (a temporada constava de 9 provas), o que lhes deixou fora das primeiras posições do campeonato. Como consolo para a BRM ficou a Tasman Cup, onde Stewart e Hill dominaram com 4 e 2 vitórias, terminando como campeão e vice-campeão respectivamente, ainda que as duas vitórias de Hill foram nas provas mais importantes: os GPs da Australia e da Nova Zelânda. A presença de Hill na Tasman Cup era algo habitual naqueles anos, onde Hill já havia vencido o GP da Nova Zelânda em 1965 com um Brabham BT11 e a South Pacific Trophy em 1964 com um BT4. Ainda em 1966 veríamos Hill assumir o desafio de participar nas 500 milhas de Indianápolis. Hill seria chamado pela equipe Red Ball Specials para ocupar o lugar de Walt Hangsen, quem havia sofrido um grave acidente testando en Le Mans. Seria uma corrida muito acidentada onde Hill soube sempre se manter entre os primeiros para, finalmente, receber a garrafa de leite do vencedor. Hill era o primeiro Rookie em vencer a prova nos últimos 40 anos!

Em 1967, veríamos Hill novamente na Lotus, junto a Jim Clark. O modelo 49 logo se mostrou competitivo desde o principio, quando Clark vence o GP da Holanda em sua estréia, ainda que lhe faltou a fiabilidade necessária para desafiar os Brabham-Repco de Denny Hulme e Jack Brabham, que terminariam como campeão e vice-campeão. Em 1968 Clark e Hill dominam o GP da Africa do sul com o Lotus 49. Porem, Clark perderia a vida em Hockenheim numa prova de formula 2 em abril, assumindo Hill a liderança da equipe e conquistando o titulo com três vitórias, uma delas em Mônaco. Para 1969 Jochen Rindt seria o companheiro de Hill na Lotus, mas o 49 já estava obsoleto e o modelo 63 devia ocupar seu lugar. Contudo, o 63 só seria usado no GP da Inglaterra e, devido à sua pouca competitividade, o 49 continuou nas pistas. Hill venceria o GP de Mônaco por quinta vez, com o que passou a ser conhecido como Mr. Mônaco. Já com 40 anos de idade, Hill não era o mesmo de antes e foi habitualmente superado pelo jovem Rindt, sendo aquela vitória em Mônaco a sua última oficial na categoria máxima.

As temporadas de 1970 e 1971, não trouxeram nenhum destaque à carreira de Hill, exceto a vitória no BRDC Trophy de 1971 com um Brabham BT34, e que seria sua última vitória com um formula 1 nas mãos. Assim, chegamos 1972 com Hill formando parte da equipe Brabham já em plena decadência e que seria, providencialmente, salva do desaparicemento por Bernie Ecclestone no fim do ano. A Brabham acabaria a temporada com apenas 7 pontos no campeonato de construtores, sendo 4 deles aportados por Hill.

Porém, Hill não havia dito a última palavra e já com 43 anos, ainda teria outra chance de mostrar todo o seu talento quando foi chamado pela Matra para formar parte de sua equipe para as 24 h. de Le Mans. Em toda a sua carreira, Hill havia alternado os monopostos com os carros sport, com os que se havia iniciado no automobilismo, portanto não era uma categoria desconhecida para ele. De fato, ao longo dos anos 60 Hill havia conseguido algumas vitórias de destaque como a Targa Florio de 1960 na categoria de 1600cc, com Porsche; a Brands Hatch Sport de 1961, com Ferrari; as 12 h. de Sebring de 1962 na categoria GT 3000, também com Ferrari ou as 12 h de Reims e os 100 km de Paris de 1964 novamente a bordo de um Ferrari, alem de varias outras vitórias em circuitos britânicos.

Quanto às 24 h de Le Mans, era uma prova que lhe resultava bastante familiar, pois já havia participado nela em oito ocasiões sendo um 2º lugar em 1964, sua melhor colocação junto a Jo Bonnier, amigo com quem partilhou carro em varias ocasiões, inclusive em algumas de suas vitórias. No entanto, sua última presença no circuito de La Sarthe havia sido em 1966, enquanto que, em 1967 e 1968, havia pilotado um Sport car somente nas 6 horas de Brands Hatch, não terminando em nenhuma das três corridas . A Matra apresentou quatro carros para a ocasião com as duplas J. P. Beltoise / Chris Amon, François Cevert / Howden Ganley, David Hobbs / J. P. Jabouille e Henri Pescarolo / Graham Hill. Sendo que naqueles tempos a Matra pertencia à Chrysler, parece que a melhor estratégia comercial era formar duplas de pilotos francófonos e anglófonos. Contudo, enquanto as primeiras tres duplas estavam formadas por pilotos em plenitude de faculdades, Hill promovia reticências em Pescarolo, quem pensava ter poucas chances com um companheiro já no fim de sua carreira.

Você confere o final dessa história na segunda-feira.

Manuel Blanco
Manuel Blanco
Desenhista/Projetista, acompanha a formula 1 desde os tempos de Fittipaldi É um saudoso da categoria em seus anos 70 e 80. Atualmente mora em Valência (ESP)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *