A última vitória

Um misto de Steve McQueen e Ayrton Senna? – final
16/05/2018
O resto… veio depois! – Final
21/05/2018

Olá, amigos!

Nos últimos tempos andei fazendo pesquisas sobre os grandes pilotos da história da NASCAR e cada um tem, em suas fantásticas carreiras, grandes vitórias e feitos. Falar dos bons momentos de cada um deles é “chover no molhado”, algo feito corriqueiramente em diversos sites na internet, então decidi falar sobre o canto do cisne de alguns dos grandes pilotos, relembrando como foram suas últimas vitórias na categoria principal da NASCAR.

Vamos nessa?

Obviamente vamos tratar apenas de pilotos aposentados ou já falecidos, portanto vamos deixar de fora grandes nomes como Jimmie Johnson, Kyle Busch, Kevin Harvick e outros grandes pilotos contemporâneos.

Bobby Allison se aposentou no ano de 1988, após um terrível acidente que por pouco não tirou sua vida, e venceu sua última corrida no mesmo ano. A última vitória de Bobby aconteceu em um momento bastante emocionante para o piloto, já que na segunda posição estava seu filho, Davey Allison e também tratava-se da maior corrida da NASCAR, a grande Daytona 500. Apesar de ser sua terceira vitória na lendária pista, o veterano piloto, então com 50 anos de vida, estava bastante feliz com sua vitória e por compartilhar o 1-2 com seu filho. Infelizmente com o acidente ocorrido em Pocono, no mesmo ano, Allison não se lembra de sua última vitória e de comemorar com seu filho, que faleceu em 1993 em um acidente de helicóptero.

O segundo maior vencedor da NASCAR, David Pearson, recebeu a última bandeira quadriculada na corrida mais curta da história da NASCAR, com apenas 51.5% do total de voltas programadas. A chuva parou a corrida em sua metade e, após falta de luz suficiente para prosseguir, o vencedor foi declarado e Pearson conquistou sua vitória de número 105.

O veterano e grande vencedor Cale Yarborough teve sua derradeira vitória no ano de 1985, após já ter vencido a corrida de Talladega. Segurando a liderança por uma diferença de aproximadamente cinco carros, Yarborough venceu a corrida mesmo após muito atrás do líder Bill Elliot. Uma grande maneira para encerrar suas grandes vitórias e se tornar um dos maiores vencedores da categoria, duas vitórias em sua última temporada completa.

O homem que detém o recorde de maior média de velocidade em uma volta teve sua última vitória no ano de 2003, em Rockinham. No ano anterior Bill havia conquistado outras duas vitórias, uma delas de forma dominante em Indianapolis.

Bill Elliott ainda disputou corridas até o ano de 2012, tendo largado no sexto lugar, mas terminou com um abandono após se envolver em uma batida. Em 2014 ainda fez um teste na Nationwide ficando em segundo lugar no treino, atrás de seu filho Chase Elliott. Família rápida, não?

O hoje comentarista Darrell Waltrip, detentor de incríveis 84 vitórias na NASCAR, teve sua última vitória no ano de 1992, exatamente 20 anos após sua estreia na categoria principal da NASCAR. Conhecido por falar muito mas também por ser muito rápido, Waltrip é um tricampeão da categoria e agora comentarista nas transmissões americanas. Aproveitou seu dois talentos de forma bastante útil, vencendo e falando.

Rusty Wallace chegou na NASCAR de forma espetacular, fechando sua primeira corrida na segunda colocação, no ano de 1980. Correndo na categoria principal, foi eleito o novato do ano, terminando o campeonato na décima quarta posição. O detentor de 55 vitórias na categoria principal e o campeonato de 1989 teve sua última e derradeira bandeira quadriculada no ano de 2004, em Martinsville. Rusty correu em tempos onde grandes pilotos estavam na pista, entre eles Richard Petty, Darrel Waltrip, Dale Earnhardt, Jeff Gordon, entre outros.

A lenda Dale Earnhardt teve sua carreira interrompida de forma abrupta com seu acidente fatal em 2001, na corrida de Daytona, em um momento em que ainda disputava as primeiras colocações nas corridas. O sete vezes campeão com 76 vitórias na categoria principal poderiam ter aumentado esse número se tivesse sobrevivido ao acidente na primeira corrida do ano, mas sua última vitória aconteceu no ano anterior, na pista de Talladega, onde The Intimidator dominava. Sua última vitória foi marcante, como sua personalidade e carreira, surgindo da décima sétima posição faltando apenas quatro voltas para o fim da corrida. Ultrapassar 16 carros em qualquer lugar é difícil, mas em Talladega parecia uma missão impossível. Não para Dale, que muitos diziam que conseguia “enxergar” onde estava o vento. O final espetacular serviu para coroar uma carreira brilhante e que ainda deixa saudade.

O tricampeão Tony Stewart, também campeão da Indycar, encerrou sua carreira em 2016 e muitos acreditam que de forma precoce. Sua última vitória também ocorreu no ano de 2017 e veio de forma espetacular, na pista de Sonoma, um circuito misto. Tony abriu a última volta na primeira colocação, mas com pneus desgastados e seguido de perto por Denny Hamlin. Na metade da volta, Hamlin se aproveitou das melhores condições de seus pneus e avançou na freada, ultrapassando Stewart. A corrida parecia perdida, mas o tricampeão não desistiu e forçou até o fim. Faltando duas curvas, Hamlin freou tarde demais com receio do ataque de Tony e era justamente o que Stewart precisava. No limite da curva, Tony fechou a entrada da curva e apoiou seu carro contra o número onze, com um leve toque. Foi o suficiente para garantir a vitória e se classificar para o Chase em sua temporada derradeira.

O grande Jeff Gordon, no alto de suas 93 vitórias, também venceu pela última vez no ano de sua aposentadoria, 2015. Dono de uma carreira brilhante, com quatro campeonatos e o terceiro lugar na lista de maiores vencedores da NASCAR, Gordon não queria se aposentar sem uma vitória e ela veio de forma emocionante. Na pista de Martinsville, Gordon relargou para as três últimas voltas na liderança e segurou até a bandeira quadriculada. A vitória não só emocionou todo o público presente, que já sabia da aposentadoria do grande ídolo, como também garantiu ao piloto uma vaga na grande final para disputar o campeonato. O quinto título infelizmente não veio, mas os tributos durante todo o ano mostraram o quanto foi Jeff Gordon foi grande para a NASCAR.

Deixei Richard Petty, o maior vencedor da NASCAR, por último na lista por algumas razões. Petty é o maior vencedor da categoria, sua última vitória foi a de número 200, em Daytona e naquele dia estava presente ninguém menos que o presidente dos Estados Unidos. O ano era 1984, o dia era 4 de julho, independência dos Estados Unidos e Ronald Reagan estava buscando eleitores e o público da NASCAR parecia ser o alvo ideal. Richard Petty não estava mais no seu auge, mas a vitória de número 199 aumentou a expectativa para a derradeira vitória duzentos.

A corrida já estava marcada na história pela notícia de que o presidente Ronald Reagan visitaria a pista durante a corrida, em um dia 4 de julho. A vitória de Petty não parecia tão esperada naquele momento, mas como num roteiro de filme de Hollywood, ela veio.

O Air Force One desceu em uma pista ao lado da reta oposta de Daytona, exatamente no momento que Richard Petty passava por ali. O presidente Reagan chegou a ir até a cabine de transmissão e narrou uma volta da corrida, mesmo sem saber os nomes dos pilotos.

A vitória realmente parecia sair de um filme. Na volta 185, Petty estava disputando a liderança com Cale Yarborough, um piloto que sempre andava bem em Daytona. Cale tinha um carro melhor do que o 43 de Petty, mas o maior vencedor da categoria sabia disso e adotou uma tática brilhante. Cale estava em segundo, muito próximo de Petty e sabia que a ultrapassagem seria realizada no momento certo, na última volta, para não dar chance do troco. Antecipando a tática de Cale, Petty passou a aliar o pé aos poucos, volta a volta, sem com que Cale percebesse e fazendo demais carros ficarem mais próximos dos líderes.

Ao entrar na reta principal, Petty viu um carro perder o controle e rodar na curva um e, naquele momento, soube que deveria acelerar o máximo possível. Na época, a bandeira amarela só era acionada no momento que o líder cruzava a linha de largada e chegada. Cale ultrapassou Petty na curva três mas a manobra fez com que o carro espalhasse demais e Petty já estava preparado para o contra-golpe. Em uma bela manobra, Petty emparelhou com Cale e os dois seguiram lado a lado até a bandeira amarela, com Petty cruzando na frente apenas por um parachoque de distância.

Após duas voltas em bandeira amarela, a quadriculada foi mostrada para Richard Petty e sua vitória de número 200. Petty subiu até a cabine de transmissão e deu entrevista ao lado do presidente Reagan. Ambos falaram ao repórter e o dia foi um marco para a NASCAR, em todos os sentidos.

Enquanto isso, Kevin Harvick continua fazendo sua melhor campanha na NASCAR, melhor até do que o ano em que foi campeão. Será o maior favorito para o título de 2018? Vamos aguardar as próximas provas.

Abraços.
Rafael Mansano

Rafael Mansano
Rafael Mansano
Viciado em F1 desde pequeno, piloto de kart amador e torcedor de pilotos excepcionais.

1 Comentário

  1. […] A pista de Daytona não promove apenas a primeira corrida do calendário, garantindo assim duas visitas por ano da principal categoria americana. Foi inclusive nessa segunda prova do ano, onde tivemos a visita do presidente norte americano Ronald Reagan, em 1984, prova esta que marcou a vitória de número 200 de Richard Petty. Essa história eu contei aqui. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *