Bastardos

Dias de Super Nanny
25/08/2014
Mistérios do Überwagen e seus seguidores
29/08/2014

Eu disse que a rivalidade entre os pilotos da Mercedes lembrava Senna x Prost. Talvez seja mais o caso de lembrar Nelson Piquet x Nigel Mansell nos tempos da Williams

Disputas acirradas por posições, envolvendo inclusive três ou mais carros, têm se tornado tão frequentes na Fórmula 1 que são até difíceis de serem enumeradas. Se continuar assim, logo logo ninguém mais poderá reclamar da “falta de emoção” na categoria!

O que está acontecendo com a nossa Fórmula 1? O que Bernie Ecclestone fez de errado para permitir um absurdo desses, de termos tantos GPs decididos só na volta final, principalmente quando se pensa nas posições intermediárias?

E vejam que as disputas não têm se dado com uso abusivo do safety car. Pelo contrário: na Alemanha, os comissários “economizaram” uma neutralização de todo justificada quando do acidente de Adrian Sutil.

Aqui vão duas respostas tentativas para explicar este novo cenário (tentativas porque não tenho convicção no momento de que sejam as melhores respostas):

a) carros mais fáceis de serem dirigidos, o que torna possível a projeção de pilotos não tão bons ou experientes, e

b) a capacidade de reação dos engenheiros das demais equipes, principalmente os da RBR, diante da Mercedes que, por sua vez, se apequena combinando certa incapacidade de reação dos seus engenheiros e a luta fratricida entre Nico Rosberg e Lewis Hamilton.

Vale lembrar: nos seis últimos GPs, Canadá em diante, a RBR somou 155 pontos ante 153 da Mercedes…

Sobre o encontro de Nico e Hamilton na Les Combes, endosso a análise de Lucas Giavoni, em sua coluna Dias de Super Nanny: tratou-se de um acidente de corrida, de certa forma até previsível, principalmente quando se leva em conta o ambiente extrapista e a necessidade extrema que um tem de intimidar o outro todo o tempo, a qualquer pretexto.

Segundo comenta-se nos boxes (cito algo que li na edição desta semana de AutoSprint), Keke Rosberg teria dito ao filho, depois daquelas quatro vitórias em sequência de Hamilton, a última delas na Espanha, que para se tornar um campeão é preciso ser um bastardo na pista e fora dela.

Eu disse na coluna GP Total! que a rivalidade entre os pilotos da Mercedes lembrava Senna x Prost. Talvez seja mais o caso de lembrar Nelson Piquet x Nigel Mansell nos tempos da Williams.

Se eu estiver certo, o que 2014 nos reserva? Um final como o de 86, onde a luta dentro de casa acabou por entregar o título a um tertius – que já sabemos quem é neste ano -, ou o de 87, onde o mais bastardo prevaleceu?

Neste caso, quem é o mais bastardo? Nico ou Hamilton?

Meu palpite: Nico.

Fernando Alonso 121 pontos, Kimi Räikkönnen 39; Valtteri Bottas 110, Felipe Massa 40; Daniel Ricciardo 156, Sebastian Vettel 98.

Visto apenas pela diferença fria de pontos, o vexame maior é de Kimi mas isso não alivia em nada para Massa e Vettel. O brasileiro pode alinhar quantos azares quiser mas não há como fugir da percepção de que ele foi superado em todos os quesitos por Bottas, inclusive nos de motivação e concentração.

Sempre procuro ponderar as circunstâncias – e aqui falo em teoria, dada a impossibilidade para um comentarista pesar devidamente todos os fatores que levaram a um dado acontecimento – que podem ser definidas como “azar” mas que podem ser apenas uma consequência de um estado mental e físico.

Esta tentativa de análise de natureza mais espiritual, por assim dizer, parece aplicar-se mais a Massa – dado o desempenho do brasileiro nas suas temporadas após Hungria 2009 (ou pós Alonso 2009, como preferem alguns) – do que a Vettel e Kimi.

No caso destes dois, creio que pesa mais o tipo de carro que temos nesta temporada. Mais lentos, com menos carga aerodinâmica, de uma gestão de pilotagem mais intrincada, dado o balanço entre os motores elétricos e o a explosão, o jogo dos pneus e tudo o mais. Vettel queixou-se tempos atrás de que não confia no sistema de frenagem do seu RBR enquanto que a Ferrari admitiu que o carro deste ano não é o que Kimi gosta de pilotar: com maior aderência nas rodas dianteiras, a traseira mais solta, cabendo à sensibilidade do finlandês mantê-lo alinhado.

Kimi pode, assim, estar sendo vítima da mesma realidade que tornou impossível para gente com Ronnie Peterson e Gilles Villeneuve tornarem-se campeões. Eles não são pilotos especialmente aparelhados para uma Fórmula 1 de minúcias e detalhes. Intuitivos e temerários na condução do carro, querem simplesmente acelerar.

Uma historinha que li em AutoSprint, semanas atrás: a Mercedes precisava gravar um filme publicitário, mostrando uma situação de pit stop ou coisa do gênero. Pretendia fazer isso durante o GP da Inglaterra mas Bernie simplesmente não autorizou a presença nos boxes de uma equipe de gravação da Mercedes.

Restou à equipe líder do Mundial simular todo o circo no dia seguinte…

Demorei mas aqui vai a minha reclamação: ô barulinho ridículo este da Fórmula 1 de hoje!

Rogo aos saudosistas que não percam as 6 Horas de Interlagos, programadas para o final de novembro, para curtir o ronco do V8 do Ferrari 458 Itália, este sim de um carro de corrida de verdade.

E mais uma reclamação: coisa irritante e inútil esta zoeira de cores nos capacetes atuais.

Mas, pensando bem, eles são um bom signo dos tempos atuais: muito movimento em pouco espaço e tempo, zero de retenção, zero de personalidade. Mas sempre sobra a possibilidade de vender a coleção completa para incautos.

Abraços,

Eduardo Correa

Eduardo Correa
Eduardo Correa
Jornalista, autor do livro "Fórmula 1, Pela Glória e Pela Pátria", acompanha a categoria desde 1968

3 Comentários

  1. Fernando Marques disse:

    Hamilton x Rosberg – ainda continuo achando que o campeão deste ano vai ser aquele que menos quebrar. No momento a sorte parece estar mais ao lado do Rosberg … aliás o próprio Hamilton admite esta hipótese … agora a briga entre os dois fora das pistas, em razão principalmente ao que acontece entre eles dentro da pistas, está digno de uma novela pastelão … se eu fosse o chefe de equipe da Mercedez dava uma punição aos dois (tipo 100% de multa no salario mensal de cada um) pela estapafúrdia colisão na 2ª volta do GP da Belgica … corrida que estava mais do que ganha para a equipe e que por causa da colisão foi perdida …
    Agora se foi ou não intencional a atitude do Rosberg neste incidente, havendo ou não má fé ou atitudes propositais entre eles, isto deve-se somente ao fato do mesmo ter acontecido antes na rivalidade entre Prost e Senna e de nunca ter havido uma severa punição aos dois por suas condutas anti-esportivas tanto dentro das pistas quanto fora delas … imaginem se Hamilton dar o troco no Rosberg , o que vai acontecer? … O Hamilton vai ser punido? … Como, se o Rosberg fez a mesma coisa antes e não foi?
    D. Ricciardo x S. Vettel – creio que a grande surpresa pelo fato do australiano estar dando um show na RBR, não é a sua boa pilotagem ou rapidez de adaptação a nova equipe e sim o péssimo desempenho do Vettel neste ano … isto sim me parece estar inexplicável …
    Alonso x Raikkonen – acho que o bom desempenho do filandês na Belgica se deu mais pelo fato dele sempre andar bem em SPA … fora isso ele está levando um banho de competência do Alonso na Ferrari … mais até que o Massa levou … e isso ninguém esperava …
    Massa x Bottas – o que acontece com o MAssa na Willians já era mais do que previsto por todos aqui no Gepeto desde o inicio da temporada … ele está levando um banho de pilotagem e resultados do Bottas … no inicio até que Massa andou melhor nos treinos mas em corridas só leva sapecada … aliás o Bottas, pelo seu desempenho, merece ganhar uma corrida este ano … não está ficando nada a dever ao D. Ricciardo …

    Fernando Marques
    Niterói RJ

  2. Mauro Santana disse:

    Bela coluna Edu!!!

    Eu sempre falei e falo que um piloto pra ser campeão tem que antes de tudo destruir o seu companheiro de equipe, e depois disso, destruir os demais concorrentes.

    Infelizmente, estas qualidades não existe para Massa e não existiu para o Barrichello, pois ambos foram sempre super bonzinhos com seus companheiros de equipe, inclusive o Massa disse essa frase “Sou muito bonzinho” a uma entreviste ao Galvão Bueno uns anos atrás para o Esporte Espetacular.

    https://www.youtube.com/watch?v=WnbF0nspqmE

    Eu estou torcendo para o Nico Rosberg, uma pra termos um novo campeão, e outra porque o Hamilton é muito chorão, piazinho chato mesmo, daqueles que se não pudesse jogar levava a bola pra casa porque era o dono da bola.

    E na boa, como que o Rosberg iria bater de propósito numa segunda volta e correr o risco dele ficar de fora e o Hamilton continuar!?

    Não creio nisso, e por isso que minha visão ao incidente foi um toque de corrida e ponto.

    Ricardão esta detonando, e o Vettel por ser um TETRACAMPEÃO, um fenômeno, uma lenda, e bla bla bla, tem a OBRIGAÇÃO sim de vencer ao menos UM gp este ano.

    Kimi é daquele jeito, já esta sacudo novamente com a F1.

    Massa, bem, o Massa assumiu uma postura tão arrogante fora da pista, e tão pacato dentro dela, que acho que os papeis estão invertidos, mas o fato é que o Bottas já o colocou no bolso e o Velho Frank já sabe que o brasileirinho só tem a vaga garantida por causa das $$$ que levou pra equipe, ou seja, Massa se tornou um mal necessário.

    Que venha a próxima etapa.

    Estou pensando seriamente em assistir as 6 Horas de São Paulo este ano, pois vai ser uma prova muito boa, e melhor seria se fosse no circuito antigo de Interlagos, aí seria PERFEITO!!

    Abraço!

    Mauro Santana
    Curitiba-PR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *