Carta a Alonso

90 metros por segundo
29/11/2018
O mestre de Fangio
06/12/2018

Capital do Ceará*, dezembro de 2018

Prezado Fernando,

Ainda me lembro da primeira vez que você chamou minha atenção. Foi uma corrida na sua Espanha, de F3000. Você corria num carro amarelo da Telefônica e pouco se sabia sobre quem era Fernando Alonso. Tu és apenas um ano mais velho do que eu, sabe que as coisas eram bem diferentes na virada do milênio e as informações não giravam como hoje. Voltando a aquele 5 de maio de 2000, fiquei impressionado com sua valentia e velocidade. Você deve ter saído da pista umas três vezes, mas parecia voltar ainda mais forte. Pensei ‘esse cara é doido e isso é bom’. Como se diz na Espanha, você aparentava ser aquele Touro Miúra, que nunca desiste.

Depois fiquei sabendo de sua biografia e realmente Fernando, você nunca desistiu. Quase parou de correr por falta de condições financeiras, mas graças a um mecenas que enxergou seu enorme talento, você se tornou um dos melhores pilotos de kart do mundo, perdendo o título mundial para um finlandês que você reencontraria mais tarde. Você foi também encontrado por Flavio Briatore. Na época, querendo retornar à F1, o italiano lhe colocou na F-Nissan, onde você foi campeão no primeiro ano de automobilismo e naquele momento em que te conheci, tu já estavas na antessala da F1.

Sua vitória em Spa só provava seu talento fora da curva. Achei um pouco prematuro quando tu subiste para a F1 em 2001. Afinal, aquela Minardi parecia mais bagunçada do que o normal, liderada por Paul Stoddart, um australiano com cara de ser meio perturbado. Quando você, ainda com cara de menino, tirou a foto na reta de Melbourne, ao teu lado estava aquele mesmo finlandês que te derrotou no Mundial de Kart de 1998. Esse Kimi Räikkönen foi mesmo uma sombra para você hein? Mas uma sombra boa, diga-se.

Mas Fernando, tu é tão bom, que conseguiu chamar atenção com um carro ruim. Conseguiu derrotar um bom piloto (só bom, tá) como Tarso Marques, que era bem mais experiente do que você. Com a ajuda de Briatore, você foi para a Renault. Não como piloto titular, como queria o italiano, mas como piloto de testes, pois Briatore teve que aturar outro contemporâneo seu, o Jenson Button, na equipe por uma temporada. Quando Button saiu, finalmente você teria um bom carro de F1 nas mãos. Quem diria? Por muito pouco você acabou sua carreira prematuramente e com 21 anos estava na F1 por uma equipe de fábrica. Mas pelo o que te conheço Fernando, isso ainda era pouco. Você sabia na época que podia muito mais. Começaram o reconhecimento e os recordes. Piloto mais jovem a conquistar uma pole (Malásia), a conquistar uma vitória (Hungria).

Seu jeito acabrunhado não o fazia uma estrela, até porque a F1 tinha Michael Schumacher. Sei que você ama corridas desde os quatro anos e viu Senna, mas esse alemão parecia imbatível e ele logo se tornou uma referência. Por mais que você falasse em Senna, sua referência era Schumacher. Batê-lo seria seu cartão de visitas. Ele dizia que se encontrasse um jovem mais rápido do que ele se aposentaria. Pois Nano (posso te chamar assim?), você conseguiu aposentar o cara! Aquela corrida em Ímola foi de cair o queixo em 2005. Você segurou o rojão com a maestria de um veterano. Alonso, você administrou o campeonato mesmo não tendo o melhor carro. Lembra do Räikkönen? Ele também estava crescendo e foi seu maior adversário, só que ao contrário de 1998, você ganhou dele. Com mais confiança, você assegurou o bicampeonato em 2006 derrotando Schumacher e a força da Ferrari. Você pilotou demais naqueles dois anos Fernando! Você parecia que se tornaria imbatível como Schumacher o fora nos anos anteriores. Mas passaram-se doze anos e o esperado tricampeonato não veio.

Sei que pode lhe parecer difícil, mas uma das principais culpas foi sua. Quando você chegou na Renault, Briatore lhe blindava de todos os problemas e você só se preocupava em pilotar, algo que você sempre fez muito bem. Alonso, tu eras o diferencial daquela equipe que era menor que a McLaren e Ferrari! Mas eu tenho que te dizer uma coisa: Briatore é um ilustríssimo filho da puta. Eu sei que você gosta do cara e que foi ele que praticamente te colocou na F1, mas a verdade tem de ser dita. Flavio, com o seu caráter de capo da família Gambino, garantia sua retaguarda, nem que seja de maneiras nada éticas. Passados dez anos, você pode admitir: tu sabias da armação em Cingapura, né? Não vai fazer diferença e não seria nenhuma surpresa.

O problema que Briatore fez tanta coisa para te colocar como um campeão que você o é, que muitas vezes você não soube liderar. E liderar equipes, amigo, como Schumacher mostrou nos seus anos de Ferrari, é primordial para um grande campeão prosperar. Fernando, essa capacidade de aglutinar uma equipe em seu torno lhe faltou nas suas novas empreitadas. Ok, você esperava que seria A estrela na McLaren em 2007. Afinal, quem era Lewis Hamilton? Você pensou que o esmagaria como sempre fez com seus companheiros de equipe, mas o novato inglês é de um material bem distinto de Trulli e Fisichella. Quando Hamilton encantou toda a F1 bem debaixo do seu nariz, você não soube lidar com isso. Briatore não estava do seu lado para dar um chega-pra-lá no novato. Ao contrário, o Ron Dennis adorava Hamilton. Você se desesperou. Brigou. Esperneou. E até traiu sua equipe. Você se queimou com a McLaren e a Mercedes.

Você via a força da Ferrari e, pelo que te conheço, pensou que poderia fazer o mesmo trabalho de Schumacher. De uma forma você até fez. Dentro da pista. Até venceu na sua estreia, em 2010, no Bahrein. Seus vice-campeonatos foram memoráveis, principalmente o de 2012, quando você enfrentou uma Red Bull em condições desfavoráveis. Aquela corrida em Valência foi sua obra-prima. Porém, fora da pista você não ajudava.

Se existe política na F1 amigo, na Ferrari a coisa aumenta muito. Você entrou na briga dos bastidores da Ferrari e isso pode ser fatal. Alonso, seus anos na Ferrari foram bem longe do domínio que você imaginou. Ao contrário disso, você foi ficando cada vez mais antipatizado dentro da F1. Ninguém te queria. Essa era a dura verdade, mas tu eras tão bom, tão fora da curva, que Ron Dennis veio falar contigo sobre um projeto na Honda. Um projeto promissor. McLaren-Honda. Como não esquecer nossa infância e lembrar-se daqueles carros branco e vermelho dominando a F1? Sem contar a grana, mesmo que isso deixava de ser problema para você faz tempo…

Porém, o tiro saiu novamente pela culatra. A Honda teve anos tão ruins, que até mesmo o belo legado na F1 dos japoneses ficou ameaçado. Eram quebras em cima de quebras e para piorar, o motor era o menos potente de longe da F1. Você botou a boca no trombone. Você Alonso, mostrou sua faceta ruim novamente. Era o crítico, o chato, o ranzinza, não mais o piloto mais completo dessa geração. Qual o resultado disso? Você deve ter prestado atenção que as três equipes de ponta da F1 mudaram de pilotos nos últimos dois anos né? Mercedes, Ferrari e Red Bull mudaram de pilotos e ninguém pensou em você. Ok, o Horner te sondou uma vez, mas nós sabemos que não daria nada.

Isso mesmo, Fernando. Você é o piloto mais completo da F1 e ninguém te quis para vencer novamente na F1. Sua última vitória conta cinco anos e o último pódio, quatro. Você praticamente chutou a Honda da McLaren e o resultado foi tão ruim quanto. Você só comemorou quintos lugares Alonso nos últimos quatro anos. Sei que de forma íntima, você se aventurou na Indy e no WEC para esconder seus últimos resultados pífios na F1. Você poderia estar na luta pelo título contra Hamilton e Vettel, mas seu temperamento não deixou. Você ficou marcado como um desagregador ou tu achas coincidência a Ferrari ter melhorado depois que tu saiu? Você é bom, mas as pessoas enxergam esses defeitos, Alonso!

Você sair da F1 vai te fazer bem, mas só não precisa ficar exagerando nos elogios às outras categorias. Pô, você dizer que o WEC é mais competitivo do que a F1, você ofende a inteligência alheia. O WEC é uma categoria maravilhosa, mas está passando por uma crise e somente um carro tem chances de vitória hoje, que é a Toyota no qual você corre. A vitória esse ano em Le Mans foi com uma diferença brutal para o primeiro carro não-Toyota. E vamos ser sinceros, a Toyota esteve longe de mostrar 100% do potencial do carro porque não era necessário. Onde está a competitividade nisso? E outra: a F1 sempre foi marcada por domínios. Vou te dar um exemplo: quando você foi campeão em 2005, apenas três equipes venceram e cinco pilotos diferentes subindo ao topo do pódio. Exatamente o mesmo número da temporada 2018!

Essas reclamações com a F1 reforça outra faceta que você não merece: que saiu da F1 por baixo. Todos sabem da sua qualidade e que você poderia estar perfeitamente brigando pelo título, mas sua personalidade complexa, como um campeão imperfeito, não permitiu. Você foi muito forte dentro da pista, mas deixou brechas dentro do paddock que acabaram voltando contra você. Alonso, você não merece sair da F1 como chorão. Basta ver a forma como você foi reverenciado por Vettel e Hamilton em Abu Dhabi, ambos com muitos mais títulos do que você. Eles te respeitam porque sabem o que você representa.

No filme que a F1 fez em sua homenagem, quando vários torcedores de todo o mundo falaram uma palavra que te representa, eu falaria apenas uma, só não apareceria porque seria censurado:

– Fernando Alonso, tu é f***!

Cara, que você seja muito feliz nas suas próximas aventuras. Que a tríplice coroa venha. Se for para disputar um campeonato inteiro, não faça um site brasileiro passar vergonha, quando cravaram que tu correria na Indy em 2019 de forma integral. Que você, Alonso, seja o grande piloto que sempre foi!

Abraços!

João Carlos Viana

*P.S.: Escrevo desse jeito para não mencionar o time de futebol que é rival do meu Ceará, o Vozão mais querido do Brasil. 

JC Viana
JC Viana
Engenheiro Mecânico, vê corridas desde que se entende por gente. Escreve sobre F1 no tempo livre e torce pelo Ceará Sporting Club em tempo integral.

2 Comentários

  1. Fernando Marques disse:

    J. C. Viana,

    show de bola!!!
    Alonso um dia volta para a Formula1? … Se derem um carro de ponta pela qual possa ao menos brigar por vitorias, penso que sim.
    Ao contrário ele continuará atrás da Tríplice Coroa …

    Fernando Marques
    Niterói RJ

  2. Mauro Santana disse:

    Belíssimo texto, JC!

    E ele vai fazer muita falta na F1.

    Abraço!

    Mauro Santana
    Curitiba-PR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *