Competição ou jogo? – parte 1

Decepção e euforia
23/07/2018
Confiança
30/07/2018

No dia 24 de fevereiro de 1964, em Miami, se disputaria o combate pelo título mundial dos pesos pesados de boxe. O embate seria entre o vigente campeão, Sonny Liston, e um jovem aspirante chamado Cassius Clay (logo seria Muhammad Ali). Segundo os cronistas da época, era uma covardia colocar Ali perante Liston e, inclusive, alguns chegaram a pedir que o combate fosse cancelado, temendo que Liston lesionasse seriamente a Ali…

Liston era um tipo aguerrido e com  muita experiência que havia conseguido ser aspirante ao título após uma impressionante sucessão de vitórias por nocaute e havia conquistado o referido título derrotando a Floyd Patterson, também por K.O., ainda no primeiro assalto (ele repetiria o feito na posterior revancha). Dono de uns punhos demolidores, todos os comentaristas o davam como vencedor, sendo que a imensa maioria deles dizia que seria por KO nos primeiros assaltos, fazendo com que Liston fosse o claro favorito nas apostas por 7 a 1.

Contudo, e apesar dos esforços de Liston por derrubar seu oponente logo no princípio do combate, Ali, mostrando agilidade e reflexos fora do comum, sempre conseguia evitar os golpes, enquanto submetia Liston a um duro castigo com sua certeira esquerda.  Assim, ninguém podia acreditar no que estava vendo e, em certo momento do segundo assalto, uma sucessão de golpes de Ali produzem no rosto de Liston um profundo corte no seu pômulo esquerdo, mas… Liston continua o combate.

Desse modo, round após round, tudo continuava igual e assim chegaríamos até o fim do sexto assalto, quando os dois homens se retiram aos seus respectivos cantos. Liston, já cansado e impotente ante Ali (e com seu corte ainda sangrando), permaneceria sentado em seu banquinho quando a campainha soa para dar inicio ao próximo assalto. O que ninguém havia sido capaz de prever… acabava de acontecer, e Ali era o novo campeão.

Este episódio exemplifica claramente a grandeza da competição e quão sadia pode ser a imprevisibilidade, ressaltando a importância desta para a promoção do esporte e seu grau de atração de novos aficionados. Em base ao histórico de cada pugilista, Liston era o favorito para a vitória. E isso fazia que uma derrota sua fosse muito menos previsível do que uma vitória, mas… aconteceu!

No esporte, e ainda mais na competição, em qualquer competição, a função do regulamento é a de determinar o que se pode e se deve fazer, ficando proibido o que não se ajuste a este, tentando assim estabelecer um razoável nivelamento das forças de modo a promover um sadio grau de imprevisibilidade nos resultados. No boxe a nivelação se trata de classificar os contendentes por categoria segundo seu peso. Na Fórmula 1, isso se dá através de estritas regras referentes ao equipamento.

Contudo, e apesar disso, sempre vemos como alguma equipe se destaca sobre as outras por conta de alguma inovação técnica ou interpretação do regulamento que o legislador não foi nem sequer capaz de prever e muito menos de imaginar, o que acaba gerando surpresas que, como no caso do combate supracitado, acabam sendo boas para o esporte em questão. À memória logo vem o caso de Gordon Murray com sua suspensão hidropneumática no BT49 ou o aproveitamento do combustível como lastro no BT52 que, em ambos casos lhe renderam o titulo a Nelson Piquet em 1981 e 1983 respectivamente.

Todos procuramos ajustar nosso comportamento segundo determinadas previsões sobre o contexto e as circunstâncias nas quais nos enfrentaremos, e quanto mais conhecemos alguém… mais previsível é seu comportamento. Na competição, isto é especialmente útil pois ajuda o contendente a estar melhor preparado para enfrentar seu oponente pois, quanto mais saiba sobre ele, melhor poderá se desenvolver durante o enfrentamento.

No entanto, nunca chegamos a um  total conhecimento e, além do mais, sempre podem se apresentar imponderáveis com os que não contávamos e que terminam por dotar a competição de uma imprevisibilidade que a torna muito cativante. 

Na competição, quem quiser chegar a ser campeão, deve trabalhar duro e com determinação, esperando que seu esforço e preparação sejam recompensados com a ansiada vitória. É inegável que algum fator além do seu controle e vontade pode afetar o seu resultado final privando-o dessa vitória, mas sempre lhe caberá a satisfação de haver feito tudo o que podia por consegui-la.

Assim é a competição. Contudo, num jogo, a imprevisibilidade é fornecida por algum elemento que tem uma decisiva influência no resultado final, mas que é totalmente alheio ao controle do participante e não vinculado ao seu talento e preparação. Habitualmente esse elemento é uma roleta, algum sorteio ou dados e sua função e aportar aleatoriedade, com o propósito de quebrar a ordem natural ou previsível dos acontecimentos.

No entanto, temo que a FIA, em seu empenho por nivelar forças para gerar emoção e perante o fracasso em consegui-lo por meio do regulamento técnico, vem introduzindo continuas mudanças no regulamento de outras áreas que, uma vez mais, estão promovendo justo o contrário do que se pretendia, de modo que parecem esquecer que a tao ansiada imprevisibilidade só resulta beneficiosa na competição quando não é induzida artificialmente.

Portanto, quando existe algum fator externo alheio aos participantes que influencia diretamente o resultado da competição, o que temos é apenas aleatoriedade, e a competição deixa de sê-lo para se converter num simples jogo.                              

Com o propósito de comprovar como as mudanças de regulamento vem afetando o desenrolar das temporadas e concentrando-me no campeonato de construtores, tratei de estabelecer os percentagens de vitórias do campeão e vice-campeão de cada temporada juntos, assim como o percentagem do campeão em solitário.

Os resultados foram estes :

ANO           GPs          % Vitórias              % Vitórias 

                                Campeao + Vice        Campeao

1960               10                90                        60

1961                8                100                       62,50

1962                9                 77,77                   44,44

1963               10                90                        70

1964               10                50                        30

1965               10                90                        60

1966                9                 66,66                   44,44

1967               11                72,72                   36,36

1968               12                66,66                   42,66

1969               11                72,72                   54,54

                      média             77,65                   50,59

 

1970              13                 76,92                   46,15

1971              11                 81,81                   63,63

1972              12                 75                        41,66

1973              15                 80                        46,66

1974              15                 73,33                   26,66

1975              14                 64,28                   42,85

1976              16                 75                        37,50

1977              17                 52,94                   23,52

1978              16                 81,25                   50

1979              15                 73,33                   40

                     média              73,38                   54,87

 

1980              14                 57,14                   42,85

1981              15                 40                        26,66

1982              16                 46,66                   18,75

1983              15                 53,33                   26,66

1984              16                 81,25                   75

1985              16                 50                        37,50

1986              16                 81,25                  56,25

1987              16                 75                        56,25

1988              16                 100                      93,75

1989              16                 75                        62,50

                     média              65,33                   49,61

 

1990              16                 75                         37,50

1991              16                 93,75                    43,75

1992              16                 93,75                    56,25

1993              16                 93,75                    62,50

1994              16                 93,75                    37,50

1995              17                 88,23                    68,75

1996              16                 93,75                    75       

1997              17                 76,47                    47,05

1998              16                 93,75                    56,25

1999              16                 81,25                    37,50

                     média              88,34                    52,20

 

2000              17                 94,11                    58,82

2001              17                 76,47                    52,94

2002              17                 94,11                    88,23

2003              16                 75                         43,75

2004              18                 83,33                    83,33

2005              19                 94,73                    42,10

2006              18                 94,44                    44,44

2007              17                 100 (+ McLaren )          52,94

2008              18                 77,77                    44,44    

2009              17                 82,35                    47,05

                     média              87,23                    66,39

 

2010              19                 73,68                    47,36

2011              19                 94,73                    57,89

2012              20                 65                         35

2013              19                 89,47                    68,42

2014              19                 100                       84,21

2015              19                 100                       84,21

2016              21                 100                       90,47

2017              20                 85                         60    

                     média              88,48                    65,94

É curioso ver como, a partir de 1991, o ano em que foi aplicado pela primeira vez o regulamento que levava em consideração todos os GPs da temporada, houve um grande aumento no percentagem de vitórias das duas primeiras equipes, inclusive superando o percentagem média da década em seis temporadas. Com a abolição do sistema de melhores resultados, as equipes tiveram de aumentar a fiabilidade de seus carros, pois já não teriam oportunidades para se ressarcir de algum abandono. Assim, é lógico pensar que as equipes com mais recursos foram as que melhor trabalho fizeram neste terreno, deixando as mais modestas sem nenhuma opção de brilhar.

Contudo, esses números passariam a um segundo plano graças à acirrada rivalidade que mantinham Prost, Senna, Piquet e Mansell entre si e que nos brindavam disputas inesquecíveis.

Na próxima coluna, a conclusão de nossa análise.

Manuel Blanco
Manuel Blanco
Desenhista/Projetista, acompanha a formula 1 desde os tempos de Fittipaldi É um saudoso da categoria em seus anos 70 e 80. Atualmente mora em Valência (ESP)

2 Comentários

  1. Mauro Santana disse:

    Belíssimo texto, Manuel!

    Já estou ansioso para conferir a segunda parte.

    Abraço!

    Mauro Santana
    Curitiba-PR

  2. Fernando Marques disse:

    Manoel,

    a coluna “competição ou jogo” está muito bacana. A evolução do regulamento que rege a Formula 1 ao passar dos anos merece uma reflexão.
    A Formula 1 hoje é muito previsível. Antigamente tínhamos competição de verdade, a gasolina corria nas veias dos pilotos e demais integrantes da equipe. Hoje o que temos é um jogo de interesses cada vez mais “caro” e menos competitivo.

    Fernando Marques
    Niterói – RJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *