Emoção singalêsa

Do destino ninguém foge
16/09/2015
Personalidade
21/09/2015

Cingapura hospeda uma prova carregada de emoções.

A corrida noturna de Cingapura é um dos novos clássicos da F1. São corridas longas, mas divertidas. Muitas variáveis, algum drama. Tudo isso embalado em um lindíssimo cenário.

A Formula 1 monta seu acampamento para a corrida 929 do seu mundial, uma corrida carregada de emoções. Hamilton, o futuro tri-campeão, pode igualar os números de um dos maiores ídolos do esporte na caminhada dominante dessa temporada. Não, não é pouco, é histórico.

Nessa 8º edição um clássico, como se deve: com muita emoção!

Separador

O primeiro assunto da semana é a estreia de Alexander Rossi pela Manor, Marussia. Para surpresa geral da nação, o americano vai alinhar sua viatura número 53 no grid noturno desse fim-de-semana. Genial para o garoto. Genial para o automobilismo pela lembrança viva do querido Herbie.

Sabe o que o Alexander vai fazer em 5 provas? Provar para o senhor Haas que é um americaninho com chance de sentar no carrinho novo da equipe para 2016. Haas, o Gene, disse que não considera um novato para seu ano de estreia. Será que em 5 provas Alexander prova que pode ser valioso ou rentável para o time?

A primeira missão é não bater o carro. Depois, derrotar Will Stevens. Em posições no grid de largada, Stevens batia Merhi por 8 x 3. Essa diferença para o Stevens tem que cair antes de devolver o carro pro espanhol.

Isso mesmo, são 5 provas só e depois o Roberto volta para brincar de Formula 1 na Rússia e Abu Dhabi. Roberto convocou sua assessoria de imprensa e mandou aquele discurso polidíssimo de que entendia a situação. Com certa dose de sinceridade admitiu que chegou na Marussia com direito somente a correr na Malásia, está pois no lucro computando 10 provas adicionais e com chance de ficar com o carro em mais duas.

Separador

Pensando bem…. podia alinhar logo o Herbie aí ao invés desse Marussia 2014, né?

Separador

Para gincana do processo seletivo “Haas 2016” sondaram até Nelson Piquet Jr. Disse ele que para andar no fundo no grid e “passar raiva”, não quer e fica na Formula E.

Piquet Jr e patuleia especializada da mídia automobilística: PASSAR RAIVA é ver um piloto enfiar o carro no muro de propósito.

Todos os méritos seus – e somente seus – na reconstrução da sua carreira, mas agora não venha com esse papinho de estrela. Siga sua carreira e seja o multicampeão que você pode ser, menos na F1. Obrigado.

Separador

Motores. Tudo agora é sobre motores.

Separador

O tema da vez é a Renault x Red Bull. Uma briga de dois lobos. A Red Bull claramente fala mal publicamente de sua fornecedora/parceira visando uma quebra de contrato sem custos para equipe antes do prazo. A Renault diz que o retorno dos títulos foi muito pequeno porque ninguém falou deles e agora só quer saber de ser equipe e não vai fornecer motor pra ninguém.

Calma.

Por que a Renault faz isso? Entrar na F1 com uma equipe nova custa dinheiro a ser pago para Bernie. Duas equipes precisam de motores se eles saírem, logo é uma pura e simples pressão para ressaltar a importância da equipe no cenário da F1. Além disso, quem está vivo – e esteve vivo durante os 4 títulos da Red Bull – sabe muito bem quem a Renault explorou e muito a imagem da fama de Campeã Mundial. Inclusive para vender os incríveis e potentes Sanderos 1.0.

Por que a Red Bull faz isso? Óbvio que é para não pagar multa de contrato. Tem alguma carta na manga ou o passaporte para retirar o time de campo. Não há ponto sem nó na Red Bull, não fiquem chateados com a falta de “esportividade” em criticar o parceiro na derrota. Para a Red Bull a F1 nunca foi um esporte, sempre foi uma plataforma de negócios. E aceitem, os caras souberam fazer um negócio dar certo.

Essa é a 11º temporada da Red Bull. São 4 Títulos, 2 vices, 3 sétimos e um quinto. Um time feito nas bases criadas por Jackie Stewart e seu filho Paul Stewart que havia conseguido uma vitória, um 8º, um 9º e um 4 lugar no campeonato de construtores antes de passar o controle para Jaguar. Como Jaguar, o time de Milton Keynes só conseguiu três sétimos lugares, um oitavo e um nono, no mundial de construtores. Antes de ser Red Bull, em 8 anos de vida, o time de Milton Keynes só conseguiu uma solitária vitória. A Red Bull é boa nesse negócio, os números compravam.

O que vai acontecer de verdade? Só a gente não sabe…. literalmente.

Separador

Honda e Mercedes

A turma da Honda diz q eles são potentes iguais aos Renault. Os números mostram que perdem 3 segundos para os lideres nas retas e 0,5 nas curvas (culpa do chassis).

Tecnicamente estão certos os japoneses. O motor, como nós conhecemos, válvulas, cilindros, etc, tem potência similar a da Renault.

O que bagunça o cenário é o “resto”. Recuperação de energia só vai ser resolvida em 2016, e aí estão reservados quase 160 cv de diferença para qualquer outra equipe. E aí está o “pulo do gato” da Mercedes em Monza.

Na prova italiana a Mercedes trouxe seu motor de combustão previsto para 2016. Por que? Simples, no inverno qualquer fabricante só poderá usar 25 fichas de atualização no seu motor. Honda, Renault e Ferrari, vão se dividir entre motor de combustão, turbo e sistemas de recuperação de energia. A Mercedes vai cuidar só dos sistemas de recuperação de energia.

É assustador, porque todos sabem que é o maior campo disponível de crescimento na potência do carro. A Mercedes afirma que, idealmente, toda energia desse sistema pode ser transferida em potencia e que essa energia, se for possível, pode igualar os valores de potência gerados pelo motor a combustão.

Mas a Ferrari pressionou a Mercedes com o motor antigo de Rosberg. Sim, a Ferrari de motor 0Km pressionou a Mercedes de Rosberg com o mesmo motor utilizado em 5 corridas anteriores e que andava com limitações para não quebrar. A distância do motor Mercedes é monstruosa e não diminui para as outras equipes durante o ano.

Um mudança de cenário? 2017, aguardem.

Separador

Para essa corrida só há de esperar mais uma vitória de Hamilton, “aquela” vitória que iguala Hamilton ao ídolo Senna. Com Hamilton a palavra definitiva sobre essa possibilidade “(…)eventualmente terei o mesmo número de vitórias que ele. Mas sei que se ele tivesse tido a sorte de continuar, teria conquistado mais vitórias e títulos. Sinto que estou carregando o bastão por nós dois, para buscar mais vitórias para ambos. Sinto que se ele estivesse por aqui seríamos amigos (…)”. Não há mais nada para acrescentar, Hamilton está ciente da emoção do fato. No outro lado do box, descansa na cabeça de Rosberg a única certeza de já pensar em 2016.

Na turma da Ferrari, o carro não é tão bom quanto o da Mercedes, isso é claro. MAs mesmo em Monza, a pista de velocidade pura, eles conseguiram prevalecer sobre a Williams. Não é pouco, mostra que o caminho no desenvolvimento do carro é correto. Rosberg que se cuide, apesar de ser franco atirador na disputa com Hamilton, se errar demais pode perder o vice-campeonato para Vettel. Uma catástrofe, para um piloto de um carro tão superior, de dimensões bíblicas.

A Williams vem animada pelo emocionante pódio de Massa na Itália. Mas o carro não vai ser dar bem em Cingapura, vide o desempenho pra lá de sofrível em Mônaco e na Hungria. É uma pena o time não ter dinheiro para desenvolvimento e espero que já tenham encontrado soluções para o carro de 2016.

Separador

Na turma mais animada e divertida do Grid, o “meião” a perspectiva é de uma corrida sensacional. Vamos colocar na bagunça a Red Bull beliscando o pessoal do grupo da frente de forma consistente. É o dia (ou noite) mais esperado do ano para Red Bull que quer mostrar para Deus e o mundo que seu carro é genial quando não depende de motor. Junto com eles, vem a Force India, a Toro Rosso e a Lotus. Todos com carros decentes esse ano e que tem andado próximos em todos os circuitos.

Separador

httpv://www.youtube.com/watch?v=tibdmkxGWJ4
Ricciardo conta pra gente como é correr em Cingapura.

Separador

E aí vem as duas incógnitas. Sauber e McLaren podem entrar nessa briga. Finalmente a Sauber tem um pacote aerodinâmico atualizado, com bico curtinho e tudo mais que há de direito em uma grande atualização do carro. Pode ser um salto para o meio do grid, quem sabe brigando por pontos. Já a McLaren sabe que tem um carro com muito arrasto aerodinâmico, muito downforce mecânico e pouca potencia do motor, como a Red Bull, também tem em Cingapura a sua prova mais esperada do ano. Vem aí alguns pontinhos para o time inglês?

Separador

Nessa luta por pontos, Nasr precisa de uma atuação convincente em Cingapura. Tem sofrido derrotas constantes para Marcus. Não pode perder o foco no objetivo do ano de estreia.

Separador

httpv://www.youtube.com/watch?v=7xdKdhtOOjM
Um pouco de turismo com Nasr

Separador

A Marussia, tirando o piloto o novo, decidiu que o carro novo previsto para a segunda metade da temporada não vai existir. Não vão gastar o dinheiro em um carro que talvez não possa ser utilizado como base para o ano que vem. O time negocia ainda se fica com a Ferrari, se recebe uma ajuda da Mercedes na troca por uma vaga para pilotos apoiados pela montadora alemã. Faz todo o sentido.

Separador

Programação
Sexta-Feira: 07h – 1º treino livre e 10:30h – 2º treino livre
Sábado: 07h – 3º treino livre e 10h – Classificação
Domingo: 9h – Corrida

Separador

Mais uma corrida histórica bem na nossa frente. Um momento especial que um piloto pode igualar seu ídolo não é pouca emoção para o final de semana. Além disso, na pista também uma corrida cheia de variáveis, um prato cheio para a manhã de domingo.

Qual seu palpite pra corrida?

Abraços, Flaviz Guerra – @flaviz

Flaviz Guerra
Flaviz Guerra
Apaixonado por automobilismo de todos os tipos, colabora com o GPTotal desde 2004 com sua visão sobre a temporada da F1.

7 Comentários

  1. Mauro Santana disse:

    Bela coluna Flaviz, Parabéns!!

    Não gosto do Nelsinho Piquet, mas acho que ele merecia sim uma segunda chance na F1, até pra vermos se ele faria alguma coisa de bom desta vez.

    Mas não acho justo ele entrar numa equipe de ponta, pois temos muitos pilotos melhores no grid que estão na F1 a bastante tempo esperando por tal oportunidade, como é o caso do Hulkenberg.

    Agora, é claro que é ridículo ele ficar se achando a ultima bolacha do pacote pra F1 só porque venceu o campeonato de carrinhos de controle remoto.

    Quer voltar a F1 Piquezinho?

    Então vai ralar lá no fundão do grid, piá!

    Mas, cada um tem a sua opinião, e esta é a minha.

    Abraço e um ótimo GP a todos.

    Obs: este campeonato esta parecendo os campeonatos dos tempos de Schumacher e Barrichello na Ferrari da primeira metade da década passada.

  2. Fernando Marques disse:

    Flavis,

    na minha opinião eu penso que Nelsinho Piquet merece uma outra chance na Formula 1. Ele errou e creio que já pagou pelo seu erro, dentro e fora das pistas. Em contra partida (algo tão falado no futebol ultimamente) ele provou correndo em várias categorias que tem talento de sobra para estar na Formula1, provar que mudou para melhor e que por isso mesmo merece outra chance. E num bom carro.

    Quanto ao GP de Cingapura voce disse tudo e acho que o Senna, esteja onde estiver, deve estar feliz por ver o L. Hamilton estar igualando a sua marca. Afinal de contas, desde aquele GP de Imola de 1994, a formula 1 não teve um piloto sequer que se aproximasse de Senna em termos de pilotagem como Hamilton.

    Só encerrando o Massa disse que não era feliz na Ferrari com Alonso, e que agora é na Willians, pois está sendo ouvido novamente. Só que na prática tudo continua o mesmo. Em dois anos de Willians o numero de pódios continua igual nos tempos de Ferrari com Alonso. Acho que isto merece uma análise dos colunistas do Gepeto.

    Fernando Marques
    Niterói RJ

  3. Flaviz Guerra disse:

    Nem deu tempo para Alexander Rossi: ele bateu o carro no primeiro treino.

    Veja aqui: https://youtu.be/XxSRWuVdjY0

  4. Eduardo disse:

    Ficar relembrando o acidente do Nelsinho Piquet a cada citação dele parece coisa de quem acompanha automobilismo só eventualmente, o que evidentemente não é seu caso. Esse aqui é um espaço de interessados, acho que não precisa disso. Não achei nada bonito o que ele fez, mas além de ser o elo mais fraco da corrente foi também quem jogou no ventilador.

    • Flaviz Guerra disse:

      Obrigado pelo comentário Eduardo. De tempos em tempos a gente precisa mesmo revisar os temas. Lembro da “cruzada” contra os Tilkodromos que sumiram dos textos.

      Abraços!

  5. Bob disse:

    O Pat Symonds também participou da lambança de Singapura e é louvado na Williams
    e na Inglaterra, aqui um menino faz uma merda, neguinho não perdoa, claro somos todos brasileiros, campeões da moralidade (vide petrolão), e o cara ainda diz que ele tem que ficar longe da F1. Menos na F1 pra vc com moral petista!

    • Flaviz Guerra disse:

      Estou procurando até agora as referencias que fiz a Pat Symonds no texto. Não encontrei. Procuro onde falei de ética e moralidade. Não encontrei. “Neguinho não perdoa”. Obrigado pela deferência, mas perdoar foge do alcance meu e desse site.

      Pra coroar, “moral petista” em um site que nem da cotação do dólar se fala.
      “PASSAR RAIVA”, literalmente o que escrevi. O resto são inferências suas que não condizem com que está escrito.

      Sem julgamentos morais, só uma opinião. Partindo do princípio que – desde sempre – o GPTotal é um site de jornalismo opinativo, portanto adequado para expressar esse conteúdo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *