Festa de fim-de-ano

Indizível
11/11/2015
Sobreviventes
15/11/2015

A festa da "firma" esse ano é no Brasil, prato cheio para uma corrida cheia de surpresas

Um Interlagos reformando pela metade. Uma pista pela metade. Uma prefeitura que demite o gestor principal do autódromo as vésperas do seu evento principal.

Essa é a São Paulo da F1. Do templo nacional da F1. Desculpe-me, com todo o chame e o pesar da perda de Jacarepaguá, Interlagos é a casa do automobilismo no Brasil. É sinônimo. Automobilismo = Interlagos.

É isso que os pilotos valorizam, o público valoriza. O templo. A História. E nesse final de semana temos o mais novo tricampeão do mundo desfilando toda sua classe em território tupiniquim. É imperdível.

Separador

Desde 1990 em São Paulo, de 1973 a 1980 também por aqui, lá vamos nós para 33º edição do GP Brasil em terras paulistanas. O circuito passa por uma extensa reformulação em suas estruturas e está com aquela carinha de obra. Perde-se um pouco do charme mas ganha-se um pouco mais de conforto para todas as equipes que utilizam o circuito. Não teremos um shopping, nem piso de mármore. Ainda bem. O suado dinheirinho do cidadão não permite esses luxos e devemos nos ater as funções do equipamento público.

Se fosse um autódromo privado, seria de se pensar em um Tilkódromo, mas valeria mais a pena investir em trazer a velha pista de volta, até como marketing.

A boa noticia é que ninguém mexeu no traçado (a última moda de Bernie) e o excelente asfalto refeito do ano passado continua com suas características preservadas. Em seus 4309 metros continuaremos as encontrar curvas que nos emocionam pela historia. Por conta dos excelentes níveis de downforce dos carros e recorrentes reduções de potencia, Interlagos hoje não apresenta mais para os pilotos aqueles momentos de tirar o folego, como na Eua Rouge. Daniel Ricciardo foi porta-voz da pilotaiada nessa questão. Não tem problema Ricciardo, a diversão continua garantida pelas sucessivas mudanças de direção. E qual outro circuito do calendário que possui a reta principal que começa em uma curva inclinada, tem um leve mergulho, uma subida e o ponto de frenagem para a primeira curva é em descida?

Para a corrida com tempo de volta mais curto do ano, as estratégias devem variar entre 2 e 3 paradas. Talvez algum piloto mais ousado tente 1 parada, mas a pista ainda demanda muito dos pneus e o tempo perdido em box não é tão comprometedor.

Separador

Por conta das mudanças de asfalto (muito melhor que 10 anos atrás), Interlagos tem um carro com motor V6 como dono do melhor tempo de pole position de sua história: 1’10.023 de Nico em 2014, seguido pelo 1’10.646 de Rubens em 2004.

Não custava ser assim em todas as pistas…

Ainda falando de tempo de poles, um LPM1 do WEC fez a pole pela última vez em São Paulo com 1’17.676. O que impressiona é a evolução dos tempos. 2012 a pole foi de 1:22, em 2013, 1.21. A troca de asfalto e evolução dos carros trouxe os tempos para 1.17 em só mais um ano.

Separador

A novela dos motores não acaba nunca. A boa noticia para a RBR é a chegada do seu motor Renault zero quilometro. Vaõ lá testar a unidade que gastou todos os tokens de desenvolvimento, meno unzinho solitário. Não esperam mais que um ganho de 2 décimos na volta, mas juram de pé juntos que é só uma versão de testes para o grande salto de competitividade no motor de 2016.

A mesma RBR tem alguma carta na manga. Faz um ano que tem um pedaço da fábrica em Milton Keynes reservado para um laboratório de pesquisas e desenvolvimento comandado por Mario Illien. Ele mesmo, o suíço fundador da Ilmor. Todo mundo nega, ele inclusive, que há o dedinho dele nos motores Renault atualizados. Mas ele não nega ter prestado consultorias para a Red Bull durante o ano de 2015.

Separador

httpv://www.youtube.com/watch?v=yKaqNumL8h8
Vettel tirando onda com o jornalista

Separador

A britânicas Williams e a germânica Mercedes não tomaram nenhuma punição por elementos do motor/unidade de potência até o Brasil, tudo funcionando conforme o planejado na pré-temporada. A turma da McLaren já perdeu 285 posições e Button instalou no México seu 12º conjunto. Dá uma medida da enrascada que a Honda colocou os britânicos em 2015, não?

Separador

A Mercedes vem para festa de confraternização da “firma” nas churrascarias de São Paulo. Vai ser um passeio. Hamilton quer vencer para celebrar Senna. Rosberg quer vencer para mostrar que pode ser concorrente de Hamilton. E a corrida dos dois vai se resumir a essa marcação. A equipe alemã é muito conservadora para soltar seus pilotos para uma briga livre na pista e nas estrategias.

Na Ferrari, a ordem é mostrar que é o time que mais cresceu em 2015. Todas as fichas para uma vitoria de Vettel. Em condições normais, impossível. Mas se a chuva vier da represa, amigo, tudo pode acontecer.

A Red Bull vem com sua irmã Toro Rosso cheia de esperança. As duas foram confirmadas pelo chefão na temporada de 2016. Uma confirmação que deveria ser normal mas ganhava contornos de drama. Enquanto a equipe principal busca entender seu novo motor, a filial luta para conseguir o 6º lugar no campeonato. Vai ser uma corrida divertida para seus 4 pilotos.

Se a Ferrari foi a equipe que mais cresceu em 2015, a Williams foi a que mais perdeu terreno. Se distanciou da Mercedes e perdeu o posto até para a Ferrari. Massa acredita que faltou dinheiro para equipe se desenvolver durante o ano, só que pesa muito o fato do carro já não ter sido tão bom logo no começo como em 2014. Bottas vai tentar não encontrar Kimi durante a corrida e Massa vai buscar aquele 3º lugar no pódio. Se conseguir, vai na pista provar que é adorado e não odiado como nas redes sociais.

Separador

httpv://www.youtube.com/watch?v=eVpRNi5VEDo
Sempre bom ver um video da Red Bull promovendo a F1

Separador

Na turma da bagunça, Lotus vive seus dias de crise e indecisões e Force India vem com um carro muito forte que perde muitos pontos por conta de erros de seus pilotos. Na Lotus, o mais triste é saber que Maldonado continua em 2016, o carro é bom mas é duro depender dele para bons resultados.

Já para Felipe Nasr e sua Sauber a previsão é de sofrimento. A Sauber foi melhor que o esperado? Foi. É suficiente para sair de trás do grid? Não. O trabalho de Marcus melhorou bastante esse ano, faz frente ao novato Nasr e os dois em ritmo de corrida tem salvado alguns pontinhos se aproveitando dos problemas e complicações alheios. Mas é só isso que a Sauber oferece para o publico. Só precisam tomar cuidado para não perder a posição no campeonato para a McLaren. Imagina o vexame?

Separador

Na turma do fundão, a Mclaren segue seu calvario rumo a 2016. A boa noticia é que o desenvolvimento do carro não para, estão trazendo peças novas “livremente inspiradas” em material de outros times. É hora de coletar informações para a conclusão do carro do proximo ano. Essa é a vantagem de contar com um certo dinheiro em caixa.

Os simpaticos da Manor estão em conflito novamente. Seu time técnico está de malas prontas para voltar para Lotus/Renault e o seu mecenas de 2015 adoraria fazer negócio com o time. Temporadinha terminando e pelo menos eles comemoram poder vir tomar umas caipirinhas por aqui esse ano.

Separador

Circuito: Autodromo Jose Carlos Pace
Voltas: 71
Comprimento: 4.309 km
Distância: 305.909 km
Recorde da Pista: 1:11.473 – JP Montoya (2004)

Separador

Programação
Sexta-Feira: 10h – 1º treino livre e 14h – 2º treino livre
Sábado: 11h – 3º treino livre e 14h – Classificação
Domingo: 14h – Corrida

Separador

Um clima de confraternização. Festa de fim-de-ano da empresa com amigo secreto. Não é o cenário mais competitivo que gostamos de ver. Só que pilotos sem obrigações com o campeonato proporcionam pilotagens mais agressivas e corridas cheias de alternativas. Interlagos adora esse cenário e o templo sempre adiciona um tempero climático para dar mais sabor nessa mistura!

Domingo é dia de corrida aqui na nossa casa, quem estará por lá?

Boa corrida a todos, qual seu palpite?

Abraços, Flaviz Guerra – @flaviz

Flaviz Guerra
Flaviz Guerra
Apaixonado por automobilismo de todos os tipos, colabora com o GPTotal desde 2004 com sua visão sobre a temporada da F1.

2 Comments

  1. Mauro Santana disse:

    Olá Flaviz!

    GP Brasil é sempre especial.

    Então, vamos curtir mais uma grande corrida.

    Abraço!

    Mauro Santana
    Curitiba-PR

  2. Fernando Marques disse:

    Flavis,

    festa é festa e é assim mesmo … o bacana do GP do Brasil que também tem festa nas arquibancadas … e mais ainda se a corrida for divertida … quem sabe um pódio do Massa (isso se não chover é claro) …

    Fernando marques
    Niterói RJ

    Fernando marques
    Niterói RJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *