Personagens

Ele sabe o que fazer
05/11/2012
Dia de Testes
09/11/2012

Nas pistas, vá lá. Mas fora delas, mil vezes a irreverência de Kimi ao pasteurizado Sebastian Vettel!

A última vitória de Kimi Räikkönen trouxe à tona não apenas os elogios ao finlandês como piloto – que sempre os fez por merecer, tendo em vista as brilhantes temporadas de 2003 e 2005, além de ser um dos maiores vencedores de Spa-Francorchamps – mas principalmente com relação à sua postura.

Fica aquela coisa de “#mito” pra cá, de “fodástico” pra lá: é o “Jornalismo hashtag”!

A verdade é que Kimi é uma espécie de oásis na F-1: é o único piloto do grid atual que realmente não segue os protocolos, que é na dele. Afinal, que outra pessoa não compareceria ao encontro entre Schumacher e Pelé e ainda daria “aquela” justificativa?

httpv://youtu.be/6MlsMVzrp2o

Há quase dois anos, sem saber que ele voltaria à Fórmula 1, escrevi este artigo dizendo que ele era um personagem que fazia (muita) falta no grid.

Sua comunicação com o rádio em Abu Dhabi, bem reportada na última coluna do Márcio, é muito melhor do que os “yes, yes, yes” e “oo-hooooo” protocolares de Vettel. Um saco!

O jovem alemão, por sinal, adora bancar o engraçadão, mas sem a naturalidade de Kimi: ano passado, em Mônaco, jogou champagne num guarda real; esse ano, deu banho em Johnny Herbert e nas grid girls da Coreia. Não soa engraçado e, ainda por cima – com exceção de Herbert, pois no fundo é um colega – vejo nisso um tremendo desrespeito a pessoas que estão apenas fazendo seu trabalho.

Coisa de “piá de prédio“, como se diz por aqui.

Sim, podem me criticar, me chamar de ranzinza, mas como personagem Sebastian Vettel é nada mais que um excelente piloto. Não possui o carisma daqueles que entram pra história como grandes figuras.

Por isso, vou elencar aqui meus 5 personagens mais inspiradores da F1: por motivos, em contextos e com intensidades diferentes.

5) Jim Clark

Outro dia, visitando o blog de Peter Windsor, me deparei com a lista de músicas favoritas de Jim Clark. Tem de tudo, de Bach a Chris Barber, passando por Billy J Krammer & The Dakotas. Do mais erudito ao mais simples e popular da época. Músicas tranquilas, relaxantes. E um jazz do tipo que a gente vê naqueles filmes musicais dos anos 40/50.

Um piloto que talvez tenha sido o mais talentoso de todos os que passaram na F-1 e era um pastor de ovelhas. Sereno, avesso a badalações, e incrivelmente dedicado àquilo que amava fazer. Um grande líder na sua época, amado pelos colegas. E ainda tinha um humor britânico bastante peculiar.

httpv://youtu.be/cU-Rr81hkiM

4) Niki Lauda

Andreas Nikolaus Lauda é um personagem dos mais distintos na história do esporte.

Esse ano, com a revelação das fraudes e a cassação de todos os títulos e honrarias de Lance Armstrong, Juca Kfouri escreveu breve texto comentando o fato, dizendo-se decepcionado com o ciclista americano, e que durante anos o considerara um dos dois maiores exemplos de superação da história do esporte, ao lado de Ronaldo Fenômeno.

Para Kfouri, não havia mais “dúvida sobre qual era o maior“.

Em minha modesta opinião, com ou sem Lance, nenhum se compara a Niki Lauda. O camarada que chegou a receber a extrema unção.

httpv://youtu.be/t3jElXmt3YM

3) Nigel Mansell

Talvez o personagem mais “completo”. Explico: dentro e fora das pistas Mansell era capaz de produzir cenas memoráveis. No bom e no mau sentidos.

Como Lucas bem lembrou em seu “Top Five” de Mansell, nenhum outro piloto no mundo seria capaz, ao mesmo tempo, de vencer uma corrida tão brilhante como Brasil 89 e nessa mesma etapa ser lembrado por cortar a mão com o troféu.

Ou então de vencer uma corrida como Áustria-87 e na “volta olímpica” bater a cabeça na passarela do autódromo.

Único!

httpv://youtu.be/m1A0eXlcRn0

2) Nelson Piquet

Piquet foi perfeitamente descrito por Edu Correa em sua lendária coluna “Eu queria ter sido esse cara“.

Nelsão é aquele sujeito que soube muito bem aproveitar a vida, que só fez o que o fazia sentir bem e ainda por cima foi um dos maiores de todos os tempos.

Pouca gente teria coragem de mandar a Ferrari às favas como ele fez, para ficar só num dos muitos exemplos. A sinceridade é o maior trunfo de Piquet. Muitas vezes, podemos discordar ou ainda assim não gostar de coisas ditas ou feitas por ele.

Mas o cara é autêntico. Um daqueles que não aceitariam ser fantoches da F1. Não aceitou, aliás.

httpv://youtu.be/z5MHdzlo96M

1) James Hunt

Se como piloto ele não entra no grupo mais seleto, sem dúvidas deve figurar no topo das listas de personagens emblemáticos da Fórmula 1. Esse ano, no GP de Mônaco, Kimi Räikkonen usou um capacete com o nome do inglês. Já dá pra perceber quem é que inspira o estilo de Kimi, não?

Na nossa página do Facebook, temos colocado várias fotos de Hunt. Além da clássica da “latinha + cigarro”, há outras ainda mais emblemáticas do homem. Mulherengo, beberrão, e bom de braço!

Uma mistura de Julio Iglesias com Jimi Hendrix. Sem mais.

httpv://youtu.be/1ITaSFWHgBY

Menção Honrosa

Nunca poderia deixar de citar Gilles Villeneuve, o mais “espetacular” piloto que o mundo já viu. Mas tudo que precisava ser dito sobre ele está na coluna “Ele era diferente de nós”, de Márcio Madeira.

Abraços a todos, e ótima semana!

Marcel Pilatti
Marcel Pilatti
Chegou a cursar jornalismo, mas é formado em Letras. Sua primeira lembrança na F1 é o GP do Japão de 1990.

18 Comments

  1. Sandro disse:

    Kimi Raikkonen 2012 = Nelson Piquet 1990!

  2. Arlindo Silva disse:

    Ah…

    Kimi falou a palavra “Merda” na entrevista que é feita após a corrida e a FIA já mandou carta para os pilotos moderarem o linguajar…

    Complicado…

  3. Bruno Wenson disse:

    Dizer que kimi com uma ou poucas vitórias deveria ganhar certos campeonatos é concordar que o piloto que mais vence não merece conquistar o título. Em 1994 Al Unser Jr venceu 8 corridas na Indy, Fittipaldi só 1. Émerson merecia o título?? Não. O título é merecido por quem vence mais. Mas, se fazem questão de dar título a quem faz bonito apenas, dêem o de “campeão moral”. Parece ser um título muito valioso pra brasileiro. Se o Kimi mal se importa com o título de verdade, que dirá com esse.

  4. Mauro Santana disse:

    Essa reportagem do Niki Lauda exibida pelo Fantástico foi no mesmo domingo do GP de Imola de 1987.

    Este caso chocou o Brasil e principalmente nós curitibanos.

    E por falar em Imola 1987, a ultrapassagem que o Alboreto aplica num certo Senna é demais, que pode ser vista aos 5 minutos e 55 segundos do vídeo.

    http://www.youtube.com/watch?v=V3K9qyp9PEU

    Abraço!

    Mauro Santana
    Curitiba-PR

  5. Willian disse:

    O que o Fernando escreveu é a mais pura verdade. O “Ice man” deu um banho no alemãozinho, sem desculpas algumas, além da quantidade de pódios que fez esse ano, muito regular. Merecia o titulo de 2004.

    Vettel pia de prédio, sem mais. Metido.

    Saudações.

    Willian
    Porto Alegre-RS

    • admin disse:

      Raikkonen merecia mesmo ser campeão em 2003, e também em 2005, mais do que quando levou, em 2007.

      A comparação com Schumacher é risível.

      vale lembrar que Kimi está muito próximo de bater as melhores voltas de Prost (tem 36, e o francês 41), e em 2005 e 2008 marcou 10 voltas mais rápidas, empatando com Schumacher (2004) o recorde de melhores voltas/temporada.

    • Cassio disse:

      Interessante como o Kimi faz as voltas rapidas em quantidade! Muitas vezes, ele faz a volta mais rapida sem sequer estar no pelotão da frente. É como se dissesse: “se eu quisesse ganhava de todos vocês, bando de almofadinhas”.

    • Mauro Santana disse:

      E o Hamilton é outro piá de prédio, que qualquer coisa que não lhe agrada, já sai postando no twiter.

    • admin disse:

      O Hamilton é meio vacaloca, mas realmente com essas coisinhas de se sentir protegido, irritou. O Alonso também é assim…

    • Bruno Wenson disse:

      Você quis dizer o de 2003, né!?! Mas, ainda assim, Schumacher foi superior nesse ano. Foram 6 vitórias contra 1 do Kimi. 2004 Schumacher venceu 13, lembra? Talvez fales de 2005, quando kimi disputou contra Alonso o título.

    • Arlindo Silva disse:

      Raikkonen campeão em 2003?

      Não vou nem entrar no ponto dele ter ganho somente 1 corrida contra 2 de Ralf e Montoya ou 6 do Schumacher, mas sim o fato dele ter jogado algumas corridas pela janela naquele ano (Austrália, Espanha e Canadá, onde ele errou nas voltas de classificação e se colocou em posição ruim para a corrida). Naquele ano, Kimi só pode se queixar da McLaren quando ele abandonou em Nurburgring, e liderava a corrida.

      A conta vai mais pro débito da McLaren em 2005, quando ele teve de trocar de motor quatro vezes (França, Inglaterra, Itália e Japão), mas não deixa de recair sobre ele com erros em qualificação no Brasil, ou ter deixado o pneu quadrado em Nurburgring (quando ele perdeu a vitória na última volta), ou ter rodado em Monza, etc…

      Em ambos os casos, Alonso e Schumacher erraram menos e levaram o caneco.

    • Marcel Pilatti disse:

      Em nenhum momento foi dito que o título de 2003 foi injusto ou mesmo que Raikkonen foi quem mais merecesse aquele caneco. Apenas foi dito que ele poderia ter sido campeão já lá, e que isso não seria absurdo.

      Primeiro lugar: o Arlindo lembrou bem de Nurburgring… Kimi estava com boa vantagem para o segundo colocado, Ralf, quando abandonou em virtude de um motor quebrado. Um campeonato que foi tão apertado, esses 10 pontos seriam mais do que decisivos.

      Além disso, tivemos o GP do Brasil, com a corrida sendo interrompida, Kimi sendo dado por vencedor e, dias depois, tendo que devolver o troféu a Fisichela.

      Eram, portanto, duas vitórias a mais na conta do finlandês.

      3 vitórias obteve Piquet em 1987 contra 6 de seu companheiro de equipe.

      Kimi, em 2003, mesmo com três abandonos ante apenas um de Schumacher, foi mais ao pódio: 10 vezes contra 8 do chefão. E descontando os 3 abandonos, em apenas uma corrida (Canadá) ele não terminou entre os 4 primeiros. Schumacher terminou 5 fora dos 4, e ainda chegou a completar duas provas 1 volta atrás do líder.

      O Arlindo lembrou bem dos erros do finlandês nos treinos, mas também não podemos esquecer de situações como alemanha e o próprio GP da espanha em que kimi foi tirado da prova já na largada em múltiplos acidentes.

      Tudo isso sem contar que também o maior piloto da raça humana cometeu erros grosseiros naquela temporada, como no GP do brasil, e principalmente no Japão, onde errou nos treinos e pelo menos duas vezes – pífiias – durante a corrida, reforçando aquela tese apresentada em 1994, reforçada em 1997 e 98: Schumacher, pressionado, comete muitos erros.

      Se for em decisão de título, então…

  6. Cassio disse:

    Realmente, caras como o Kimi são de uma espécie em extinção na F1.
    Bem colocado a questão do Vettel. Ele tenta fazer as gracinhas, mas o efeito é o contrário – não parecem gestos autênticos. Como o Marcel falou, coisa de piá de prédio pançudo. E que corre pra caralho!

    Abraços

    Cassio

  7. Fernando Marques disse:

    Marcel,

    A vitoria do Kimi neste domingo ganha até mais destaque pelo fato daquele Alemão Queixudo que detem todos os recordes da Formula 1 ter retornado a categoria e virado um perdedor … muitos acreditavam que aconteceria o mesmo com o Ice Man.

    Já pensaram se o Vettel aprende a sambadinha com Barrichello?

    Fernando Marques
    Niterói RJ

  8. Mauro Santana disse:

    Belo texto Marcel Pilatti!

    Concordo contigo, e também já comentei a postura do Vettel aqui.

    Definitivamente esta postura de molhar Sir Stewart e fazer chifrinho no Kimi, ambos em cerimonias de pódio este ano, não é da mesma naturalidade de um Kimi largando um grid para tomar um sorvete com coca-cola.

    Ainda bem que o Kimi esta de volta!

    Abraço!

    Mauro Santana
    Curitiba-PR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *