Sobre Massa, Kanaan & Neymar

Fim de Maio sensacional
24/05/2013
Óculos de sol valorizado
29/05/2013

O último fim-de-semana teve três brasileiros nas principais manchetes do mundo esportivo: mas por motivos bastante diferentes.

No último fim-de-semana, vimos três esportistas brasileiros serem centro das atenções na cena esportiva: no entanto, cada um deles teve razões distintas para estarem no “olho do furacão”.

O primeiro brasileiro a atrair todas as atenções foi o jovem Neymar, que no sábado à noite anunciou sua transferência para o Fútbol Club Barcelona. Desde a última sexta-feira, quando de fato as negociações caminharam, não se falava em outra coisa.

Outro brasileiro que foi muito comentado foi Tony Kanaan: o baiano se tornou o quarto brasileiro a vencer no Indianapolis Motorspeedway, naquela que é uma das três maiores corridas do esporte a motor.

Por fim, o terceiro brasileiro em voga foi Felipe Massa: a ele, porém, a atração não se deu por nenhuma especulação ou feito notável: Massa chamou a atenção por conta de seus dois acidentes – praticamente idênticos – e sua decepcionante participação na mais charmosa corrida da Fórmula 1.

Ontem, os três dividiram suas participações: pela manhã, Massa; no início da tarde, Kanaan; e já quase noite, Neymar.

Me peguei pensando em como estes três nomes renderiam uma análise sobre o “nosso” momento no esporte, tendo em vista o que fomos, o que somos e o que seremos – como naquele brilhante texto do Chiesa…

O primeiro comparativo que pensei fazer foi apenas concentrando-se em Massa e Neymar: Kanaan surge como uma outra alternativa, a de um brasileiro que, pouco valorizado em suas terras, ganhou um dos principais centros esportivos do mundo não apenas por vencer num templo sagrado mas por conquistar o respeito e a simpatia de seus pares e do público que o segue. Assim, ele será a terceira via do que vou propor comparando Neymar a Massa.

Vejo bastante semelhanças entre o que Neymar é, até hoje, com o que Felipe foi, até 2006.

Recentemente foi “ressuscitado” um video em que, moleque de 13 anos, Neymar fala sobre seu sonho: “Barcelona ou Real Madrid“. Por certo nada diferente daquele Massa em períodos pré-Fórmula Renault italiana: se alguém pesquisar a fundo, encontrará alguma declaração semelhante de Felipe sobre a Ferrari.

E nunca me esqueci daquela capa de AutoSprint, de 2001, que estampava o rosto de Felipe e a manchete: “È il nuovo Senna?

Sem discutir se Messi é melhor, pior ou algo parecido no comparativo aos Pelés e Maradonas que o futebol produziu, trata-se do maior jogador de bola do século 21. Creio ser ponto pacífico.

O que se comenta sobre Neymar, pensando nessa sua chegada ao Barça, é que ele optou pelo ‘junte-se a ele‘ ao invés do ‘tente vencê-lo’. Nossa mídia prestou desserviços à boa análise nos últimos dois anos e meio ao questionar quem, dentre os dois, era melhor.

Não que suas habilidades não pudessem ser confrontadas: Neymar possui enorme talento, algo semelhante ao de Messi, e exibe alguns recursos técnicos que talvez o argentino não tenha. Porém, o camisa 10 do Barcelona e da seleção hermana é melhor finalizador, muito mais dotado de senso tático e mais aplicado na marcação, dentre outros fatores de ordem pessoal (fiquemos somente em uma palavra: foco) que o colocam alguns patamares acima da “joia” ex-santista.

Falo tudo isso porque vi algumas análises – e ontem, afinal, durante a corrida ouvimos isso o tempo todo, certo? – falando que essa temporada será de ‘aprendizado’, junto, principalmente, de Messi.

E isso me trouxe de volta a 2006.

Lá, tínhamos um Felipe Massa em franca ascensão: o brasileiro tinha uma oportunidade de ouro: iria assumir a vaga de Rubens Barrichello e pegar uma Ferrari que se recolocava como time de ponta, depois de uma temporada esdrúxula motivada, principalmente, pela regra dos pneus (mais ou menos como o Barcelona agora, vindo da recente humilhação na Liga dos Campeões da Europa).

Mais do que isso, Massa tinha a chance de “aprender” com aquele que foi, sem discutir seu comparativo aos Fangios, Clarks e Sennas que a F1 produziu, o maior piloto do século 21. “Essa será uma temporada para o Felipe se ambientar, conhecer tudo na Ferrari, vivenciar com esse gênio que é Michael Schumacher, e assumir a liderança do time quando Schumy se aposentar“, dizia a mesma voz que ontem incessantemente falou que Neymar “chegará voando na Copa 2014“.

Felipe de fato foi muito bem: depois de um começo difícil, terminaria na 3ª colocação da tabela, com 2 vitórias, 3 poles, 2 melhores voltas e 7 pódios. O anúncio da despedida do alemão e a emblemática vitória em solo brasileiro depois de 13 anos encheram de esperança – e de certeza – o futuro que vinha por ali.

 httpv://youtu.be/klgJ4PyQ5oI

Mas o que viria depois – e, sim, ele fez algumas grandes provas em 2007 e uma temporada muito forte em 2008, mas sempre oscilou erros bisonhos (Malásia e Inglaterra) com provas de campeão (Hungria e Interlagos) e medianas (Itália e Japão), tendo também infortúnios (a citada Hungria e Singapura) – foi decepcionante.

2009 foi um ano em que a Ferrari começou péssima mas foi Raikkonen (em Mônaco) quem primeiro encontrou o caminho e ainda venceria, naquele ano. Claro, depois tivemos o trágico acidente.

Desde então, Massa tornou-se uma caricatura de si mesmo.

Já falei aqui sobre o que penso a respeito: ele ainda é veloz, mas a guerra psicológica com um companheiro do quilate de Alonso e seu físico o afetam ainda mais: creio, de verdade, que Felipe não consegue mais encontrar ritmo de prova. Não fosse isso, sua velocidade em treinos comparada a de Alonso não teria melhorado em relação a anos passados – vide reta final de 2012 e início desse ano. O problema consiste, mesmo, no domingo.

Sobre seus acidentes em Mônaco, a Ferrari acusou erro do piloto nos treinos de sábado, e ontem preferiu botar panos quentes: “Diferentemente do sábado, parece que o incidente de hoje pode ser atribuído a um problema na parte dianteira esquerda do carro (…) Ainda iremos apurar exatamente o que aconteceu“.

Parece não haver mais nenhuma chance para Felipe: e tudo se foi não com a mola, mas naqueles 38 segundos de Interlagos-2008.

Para os amantes do futebol brasileiro, pois, que Neymar siga Messi e não Massa.

Sobre o GP de Mônaco.

Primeiro: foi a pior corrida do ano até aqui. A quantidade de bandeiras amarelas, safety car e até mesmo a interrupção impediram que houvesse grande emoção, e essa se limitou a um nome: Sérgio Pérez.

Costumo defender esse estilo de pilotagem, afinal, nós não amamos Gilles Villeneuve?

Porém, ontem Perez atingiu níveis além do aceitável: me pareceu ser BURRO, além de bastante incoerente: o piloto que reclamou da manobra de Alonso fez cada coisa bizarra. Muitas de suas atitudes foram simplesmente estúpidas.

E tamanha inconsequência afetou diretamente a prova de Kimi Räikkönen, que o chamou de “sem noção“.

Por outro lado, foi justamente o “stupid move from Sergio“, nas palavras de Kimi, que permitiu ao finlandês fazer suas duas últimas sensacionais voltas e igualar as 23 provas seguidas na pontuação de Alonso, agora a uma de igualar o recorde de Schumacher.

httpv://youtu.be/CzzG3RyrDTo

Aliás, ano passado Alonso não igualou Schumy porque Grosjean o encontrou.

Quanto à polêmica dos testes da Mercedes.

Creio que haja pouco a se falar, além de que não houve “igualdade de direitos”, digamos assim:  a própria FIA, em comunicado, esclarece que houve permissão condicionada a “todas as equipes receberem a mesma oportunidade“.

De fato, me parece que a Mercedes GP acabou por levar alguma vantagem, dado seu trato com os pneus ontem. Mas não sei até que ponto uma corrida como Mônaco, e ainda mais no caos supracitado, na verdade não mascarou essa possível vantagem.

De todo modo, não creio que devam nem que irão acontecer quaisquer punições.

Brilhante vitória de Nico Rosberg, se tornando o primeiro filho de vencedor em Mônaco a repetir o feito do pai. E exatos 30 anos depois. Pole e ponta-a-ponta.

No início da temporada, eu cheguei a pensar que Hamilton venceria ao menos 15 dos 20 treinos. Bem, pra que isso aconteça, agora, ele precisaria vencer praticamente todos.

Talvez Rosberg seja o piloto mais subestimado dos últimos tempos. Algo como um Jody Scheckter, no passado.

Vettel e Alonso parecem estar definindo a disputa, por mais que ainda haja um Kimi entre os dois. E se Alonso talvez tenha feito mais provas brilhantes que Vettel até aqui (em suas duas vitórias foi mais exuberante que Vettel na Malásia e no Bahrain), é o alemão quem parece estar fazendo um campeonato melhor.

Lógico, falar isso do líder do mundial, parece algo mais que óbvio, mas reparem no seguinte: Alonso e Vettel têm 2 vitórias e 1 segundo lugar cada; porém, o alemão coleciona um terceiro e dois quartos lugares contra um sétimo, um nono e um abandono do espanhol.

Sebastian venceu em 2012, mas aprendeu muito com Fernando. E a ‘regra dos pneus’ só reforçar isso: a Red Bull alega que estaria num nível semelhante ao de 2011, não fossem os pneus farofa.

E se não está, Vettel dá conta do recado.

Citei Kanaan de início, e não o esqueci ou menosprezei, não: na quarta-feira, Lucas Giavoni traz tudo sobre a fantástica vitória do brasileiro em Indianápolis.

Ótima semana a todos!

Marcel Pilatti
Marcel Pilatti
Chegou a cursar jornalismo, mas é formado em Letras. Sua primeira lembrança na F1 é o GP do Japão de 1990.

16 Comments

  1. But you have to target yor current hkme or the destination.

    Yoou know you have been acceplted if you are considered part of
    the family. Sanford Greene and Juan Jose Rypp finish out the boo iin their
    own individual styles.

  2. Fernando Marques disse:

    Caro MAcrel,

    mesmo sabendo que a sua área é o automobilismo e não o futebol, creio que você comete o mesmo engano que a maioria dos profissionais ligados a midia do futebol. Isto por que o Neymar não está indo para o Barcelona barrar ou tentar ser melhor que o Messi ( a midia esportiva gostaria que fosse assim) e mas sim tentar barrar o Xavi ou Inesta, pois ambos já estão com idade avançada. Sem falar que o Messi atualmente sobra na turma do futebol. E não fique surpresos se no inicio ele esquentar um banquinho. Se ele fosse para Espanha para tentar ser melhor que o Messi, melhor seria ele ir para o Real MAdri.
    Quanto ao Massa, a chance dele ser tornar um campeão de Formula 1 já passou. Nunca mais ele vai ter um ano como foi 2008.
    Com relação ao GP de Monaco, ele certamente foi o pior do ano mas mesmo assim foi interessante não só pelo desempenho das Mercedes como também pela pilotagem do Sergio Peres … com relação ao Alonso fazia tempo que não via ele tão fraco nas pistas … vide as ultrapassagens que ele tomou do peres e do P. di Resta …
    A vitoria do Kanaan foi mais do que merecida e vibrei muito com a sua conquista. Em ano anteriores ele teve mais carro mas bateu na trave … e atualmente numa equipe media uma boa estrategia e sorte estiveram sempre ao seu lado … na Indy isto sempre foi fundamental em pistas ovais …

    Fernando Marques
    Niterói RJ

    • Fernando Marques disse:

      Voltando rapidamente a falar do Neymar, acho que a midia especializada deveria criar expectativas dele somar junto com o Messi do que ficar nesta de achar que ele vai ser melhor … o que não significa que ele não possa dar certo na Europa por causa disso …

      Fernando Marques
      Niterói RJ

      • Marcel Pilatti disse:

        Oi Fernando,

        de fato a minha área não é o futebol, hehe. Mas note que eu mesmo apontei no texto essa crítica feita por você: “Nossa mídia prestou desserviços à boa análise nos últimos dois anos e meio ao questionar quem, dentre os dois, era melhor. Não que suas habilidades não pudessem ser confrontadas (…) Porém, o camisa 10 do Barcelona e da seleção hermana é melhor finalizador, muito mais dotado de senso tático e mais aplicado na marcação, dentre outros fatores (…) que o colocam alguns patamares acima da “joia” ex-santista.”

        Minha ideia foi justamente a de dizer que tal comparação é tão absurda, guardadas as devidas proporções, quanto àquela que um dia ladeou Massa e Senna..

        E o ‘final’ de Massa – evidenciado no último GP – pode ser repetido ou não por Neymar – já que o “começo” foi parecido.

        Abraços!

        • Fernando Marques disse:

          Marcel,

          desculpe-me pelo ledo engano … mas acho que o Neymar não repete o efeito Massa … principalmente se ele aprender ser mais coletivo em campo sem deixar seu lado individualista de lado que será sempre seu ponto mais forte …


          Também acho que deveríamos para de achar que tudo que é brasileiro que chegar na Formula 1 será um novo Senna … está mais que provado que não há carreiras que aguente tal pressão e comparação … O Massa é bom? … Sim se não ao contrário não estaria na Ferrari … mas todo mundo tem um ciclo e ele está na Ferrari desde 2006 … o dele na equipe está chegando ao fim …

          Fernando MArques
          Niterói RJ

        • Fernando Marques disse:

          E Massa tem mais é que agradecer a tudo que a Ferrari fez por ele …

          Fernando Marques

  3. Lucas disse:

    Bom, quanto ao Massa, já falei minha opinião sobre ele por aqui. Não acho que ele tenha “deixado de ser o piloto que já foi”. Massa tem 11 vitórias na categoria. Em todas elas, sem exceção, ele tinha um carro excepcional, geralmente o melhor do grid naquela pista, ele havia largado na primeira fila, e ele não teve que enfrentar absolutamente nenhum imprevisto ao longo da corrida. De 2009 para cá, essas condições nunca estiveram reunidas novamente, simples assim. E ele deu o azar de ser companheiro de um sujeito que tem excelentes exemplos de corridas vencidas sem o melhor carro, sem largar na primeira fila, ou enfrentando imprevistos. Pra mim ele é o mesmo piloto que sempre foi. Ritmo de corrida jamais foi seu forte, mesmo antes de 2009, e o fato de que também em 2006-2008 só ganhou corridas em condições perfeitamente ideais atesta isso.

    • Marcel Pilatti disse:

      Lucas, concordo com você. Somente diria que na Hungria, em 2008 ele fez uma corrida MUITO top, longe de condições ideiais, inclusive. E… não venceu.

      • Lucas disse:

        Não sei, não sei. Ele fez, sim, uma excelente largada pegando a ponta do terceiro lugar, mas daí pra frente foi mais ou menos aquilo que eu falei (segurar a ponta com um excelente carro), o que não é necessariamente difícil lá pelo fato da pista ser travadíssima…

  4. Fabiano Bastos das Neves disse:

    Quanto ao Massa, espero que ele o faça engolir suas palavras! (mas já estou cansando de esperar.
    Quanto ao GP de Mônaco, que transmissão é essa que perde aquelas que (talvez) foram as melhores 7 voltas finais de um piloto naquele circuito em todos os tempos. O Kimi passou 6 carros em 7 voltas em Mônaco, e nós não vimos nenhuma delas na transmissão. Penso que a direção de TV da F1 deveria rever suas prioridades.
    Quem quiser ver parte do feito de Kimi pode procurar nos sites de vídeos que vão achar alguns. Porém, sem a mesma emoção que ocorreria ao vivo.
    Abraço!

    • Lucas dos Santos disse:

      Fabiano,

      Agradeça ao Automóvel Clube de Mônaco – que não abre mão da geração de imagens da corrida – por mais essa “maravilhosa” (só que não) transmissão da corrida. Monaco é o único GP em que as imagens não são geradas pela FOM e a diferença fica notável.

      Pior foi assistir a GP2, em que a TV simplesmente não mostrava os carros mais importantes (é bem provável que o diretor de imagens não fazia nem ideia de quem era quem naquela corrida) e ainda exibia replays demasiadamente atrasados.

      No dia em que a FOM resolver assumir a geração de imagens do GP de Monaco, pode ter certeza de que a qualidade vai melhorar!

  5. Carlos Gomes disse:

    Os anunciantes do jogo pagam melhor e mais constantemente que os da corrida. O brasil é o país do futebol todo dia e não de corrida de carro.

    Acho que é o que diria a band, que até o “eirantes” vendeu ou perdeu.

  6. Mauro Santana disse:

    Parabéns a Kanaan, ele mereceu e mais uma vez tivemos uma Indy 500 histórica!

    Foi mesmo emocionante!

    Agora, uma SALVA DE VAIASSSSS para a band(em minusculo mesmo), foi uma vergonha e uma falta de respeito o que fizeram ontem, pois cortar o momento máximo de um piloto de carros de corrida, brasileiro, para transmitir um joguinho MEQUETREFE não valendo nada com coisa nenhuma, é mesmo um fiasco.

    Esta é a situação do Brasil no automobilismo, e não sei mais onde vamos parar.

    VERGONHA!!!!!!!!

    Mauro Santana
    Curitiba-PR

  7. Tiago Henrique disse:

    Excelente coluna!!
    Realmente, boa comparação entre as fases de mudanças de Massa e Neymar. O que eu acho, separando os devidos esportes e conjuntos, Neymar é mais talentoso que Massa, e isto pode lhe dar mais chances de vencer, mas não é garantia de sucesso ou insucesso.

    Kanaan foi brilhante, pena mesmo foi a transmissão da BAND, como disse o Ingo. Na hora H tiram a parte da consagração do brasileiro. Rosberg também fez bonito. tal qual seu pai.

    O mexicano é maluco mesmo. Espero que continuem o 3 na disputa, com vantagem para vettel, visto sua regularidade.

    Resta saber, ainda que cedo, que irá substituir Felipe e o Mark.

    Abraços à toda equipe.

    Tiago Henrique, Videira-SC

    • Marcel Pilatti disse:

      Oi, Tiago.

      Obrigado pelos comentários!

      Sim, Neymar é mais talentoso do que Massa jamais foi, e por isso mesmo que é temerosa toda essa adulação em torno de sua figura: o barcelona tem uma filosofia TOTALMENTE OPOSTA ao que ele apreendeu e desenvolveu aqui, no Brasil. Portanto, muito mais que seu futebol, Neymar terá de desenvolver seu psicológico.

      Quanto ao que (não) fez a Band, aguarde comentários do Lucas na quarta!

      Abraços e escreva sempre!

  8. Rafael disse:

    Hoje (domingo) eu fui dormir às 5 da manhã e perdi o inicio da corrida.

    Acordei às 9:42, segundos depois do Felipe Massa arrebentar a Ferrari de novo na Saint Devote, da mesma maneira nos treinos livres. Ai eu pergunto: foi falha do carro ou daquela peça entre o banco e o volante? A escuderia do cavalo rampante teve um fim de semana pra esquecer. Alonso fez o que podia com o carro. Se pensarmos no campeonato, tá valendo.

    Rosberg fez uma corrida impecável. Os dois compostos de pneus aguentaram bem o tranco, o desgaste esteve dentro da normalidade. Por pouco o time alemão não fez 1-2 na corrida. Talvez se a parada do Hamilton fosse feita uma volta depois… Hamilton até tentou se recuperar, mas Mônaco de Mônaco! Se aquela tentativa de ultrapassagem do Hamilton no Webber na Rascasse tivesse dado certo…

    A RBR contou com a sorte devido a parada do Hamilton. Vettel deve ter comemorado mais que todo mundo porque o Kimi terminou numa sortuda 10ª posição depois dele e Perez se enroscarem e o Alonso vocês já sabem!

    Sergio Perez tinha tudo para ganhar um 10, mas c… no final!

    A Williams que m… mais uma vez! Disputar posição com Marussia? Aliás, que barbeiragem do Pic hein?

    Rafael Carvalho de Oliveira

Deixe uma resposta para Fabiano Bastos das Neves Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *