Uma Mônaco prateada?

Andretti Curse: a maldição da Indy 500
21/05/2014
Preocupações
26/05/2014

O domínio prata em Mônaco significa o fim do campeonato?

É uma emoção incontida. Finalmente nos deparamos como final de semana mais incrivelmente legal e maravilhoso do automobilismo mundial. Vamos ter novamente Indy, Charlote e Mônaco. São necessárias 9 horas de transmissão para acompanhar 678 voltas nos 2030,79 km de asfalto devorados. Nenhuma agência de marketing da atualidade conseguiria tamanha façanha de agradar os amantes de automobilismo.

E tudo isso começa sob o domínio prateado das velozes Mercedes no charmoso e clássico circuito de Mônaco. Saímos dos autódromos e voltamos pra rua. Técnica pura dos pilotos pode equilibrar o domínio avassalador da marca germânica?

Separador

Mônaco tem toda a atmosfera especial e glamorosa da F1. É o circuito clássico. São 60 corridas já disputadas no travado circuito de rua. Desde 1950, 33 pilotos já tomaram champanhe ao lado do príncipe de Mônaco. Salvas as alterações comuns e cotidianas o circuito passou por duas grandes mudanças em toda sua vida útil na f1. Em 1976 colocara os “esses” da piscina e em 1986 colocaram a Chicane Nouvelle, aquela da saída do túnel. Tudo isso deixou o circuito mais lento, mais seguro e promove um fato curioso: da prova de 1955 para última prova sem safety-car, em 2012, a velocidade média da prova só subiu 42km/h. Em 1995 M.Trintignant levou sua Ferrari 625 por um passeio vitorioso na pista com a incrível média de 105.914 km/h. Webber, o vencedor de 2012, fez o trajeto da vitória em uma média de 147.312 km/h.

Para esse ano a pista tem um trecho de asfalto novo. Da saída da Massenet até o fim do túnel, tudo foi refeito. A ideia principal é acabar com os “bumps” da pista. Pode ter aí algum ganho de tempo de volta durante a corrida. Durante os treinos, a pista ainda estará “verde” e dificilmente terá um bom grip.

A Pirelli bota pra rodar pela primeira no ano os super macios. A previsão dos italianos é que permitam até estratégias de uma só parada. Para os pilotos tudo é uma grande incógnita: é a primeira vez que todos eles vão pilotar um carro turbo em uma pista tão estreita e tão lisa.

Para complicar, lembre-se, o câmbio tem relação de marchas fixas esse ano. Significa que as equipes tem que colocar o carro em Monza e Mônaco com o mesmo câmbio. Como controlar o torque para saídas de curva em baixa e carregar as baterias nas freadas com um carro que não tem uma relação de marchas otimizada para o circuito?

Separador

httpv://youtu.be/9-7zGQGpp6g

Separador

Não por acaso, Alonso considera que um piloto confiante no seu carro, seguro para andar ao máximo, pode retirar de 0,5 a 0,7 segundo do que o carro normalmente renderia.

Um circuito travado e um câmbio não ajustado para pista. Tudo isso tira a importância da potência final dos motores. A potência bruta não é o mais importante. Aqui é importante dirigibilidade, como o motor entrega ao piloto o controle sobre sua evolução de potência e torque. Assim temos a oportunidade de tirar um elemento da mesa para entender o domínio da Mercedes. Todo esse domínio vem de um motor avassalador da concorrência? O carro é fantástico? Os dois são fantásticos? É uma excelente hora para descobrir. Se a Mercedes sair com uma vitória fácil de Mônaco, o campeonato acaba para os outros, ao menos até a pausa de verão em Agosto. Se a Red Bull se aproximar ameaçadoramente e lutar pela vitória, acredite, Cris Horner vai pensar em jogar seus Renaults pela janela.

Separador

httpv://www.youtube.com/watch?v=8b8IuympmyM

Separador

Todos foram para o teste em Barcelona, depois da última etapa do mundial. Quando ler essa coluna provavelmente você já terá visto os resultados dos dois primeiros treinos livres. Então não há muitas previsões a fazer.

Tudo que foi visto em Barcelona confirma um assustador domínio da Mercedes. O trabalho sólido dos alemães por tantos anos está rendendo frutos. O carro era revolucionário há 3 anos. Lembram-se da suspensão interconectada? Difícil de ajustar e que comia pneus, mas que deixava o carro extremamente rápido em uma volta lançada, a Mercedes conseguiu dominá-la e agora lucra com isso.

Para Ferrari é desolador, ainda mais tomando uma volta em condição de corrida. Alonso paga seus pegados e paga pelos seus erros emocionais que deram rumo a sua carreira. Está em uma equipe bagunçada, com um companheiro de equipe forte e com um chefe que não o apoia. Anda envaidecido por todos os elogios que recebeu das outras equipes, todos publicamente, e reclama, também publicamente, que todos elogiam seu trabalho, menos quem está ali pertinho dele. Aquela pessoa que assina o cheque, pra começar. O que vai ser de Alonso?

Na Red Bull, todos animados. O carro é bom. É equilibrado. E eles têm certeza que o problema é o motor. Mesmo assim Red Bull tem dois problemas pra administrar. A câmera de TV obrigatória vai ter que mudar de lugar. Newey embutiu a câmera no bico e a FIA aprovou. Os outros times tentaram copiar, não conseguiram, portanto a FIA, agora, vetou. O outro problema é mais grave e afeta o campeonato de Vettel. O Jovem tetracampeão está usando em Mônaco seu motor de número 4 e só tem mais uma unidade zero quilometro para o restante da temporada. A Renault teve que atualizar os motores com o campeonato em andamento e as quebras no carro de Vettel ocasionaram mais trocas que o previsto. O rapaz vai ficar a pé? Vai ser punido? Não, ele pode evita punições usando os motores usados, mas eles não tem as atualizações mais recentes. Aí está o problema.

Para a McLaren o ano é de aprendizado e coleta de dados, mesmo! O carro não evolui como esperado e já passou da hora de pensar em um 2015 feliz com a Honda. Ainda sem um patrocínio principal e homenageando seus parceiros fiéis, poderiam aproveitar para pintar o carro de branco e vermelho. Vai que ajuda, né?

Nesse cenário de evolução dos times, quem fica para trás é a Williams. Com um carro que veio bem nos testes e cheio de esperanças, os resultados são desanimadores. Mas só para equipe, porque para o resto do mundo eles ressurgiram depois do fracasso homérico de 2013. Quem tem que se preocupar é Massa. Ele voltou para a fase de desculpas e nenhum resultado. Só tem a paciência da imprensa brasileira pela sua simpatia com os veículos que lhe atribuem a marca de “pessoa do bem”. Nada mais coxinha. Massa está devendo pontos para o seu patrão. Bottas o piloto número 2, pagante, tem 22 pontos a mais. Quer dar entrevista dizendo que é o número 1 e o dono experiente do pedaço? Mostra na pista antes, por favor.

A Lotus tenta retomar sua forma. Mas sem dinheiro e com Pastor Maldonado, o caminho de volta ao topo do grid parece um esforço hercúleo.

No resto do grid a única esperança de dias melhores é na Force India. O carro é bem feito e parece evoluir bem. Vai ficar ali na zona de pontos. O resto não tem dinheiro nem esperanças. Sauber ainda não pontuou. Toro Rosso conseguiu sair do zero, mas não empolga. E a Caterham conseguiu a proeza de ser mais lenta que a Marussia. É um fundo de Grid sombrio e que sempre pode contar com Maldonado!

Separador

Chegamos ao 5º mês do acidente de Schumacher. E cada vez com menos notícias. É de uma tristeza profunda.

Separador


Circuito: Circuit de Monaco
Voltas: 78
Comprimento: 3.340 km
Distância: 260.520 km
Recorde da Pista: 1:14.439 – M Schumacher (2004)

Separador

Programação
Quinta-Feira: 5h00 – 1º treino livre e 9h00 – 2º treino livre
Sábado: 6h – 3º treino livre e 9h – Classificação
Domingo: 9h – Corrida

Separador

Vamos ver o domínio da Mercedes? Uma prova equilibrada pelo talento de Alonso, Vettel e Raikkonen? A prova promete muito para esse final de semana! E não dá pra sair da frente da TV. Logo depois tem Indy 500 e vamos dormir só depois da NASCAR com a Charlote 600!

Um final de semana incrível para todos nós!

Abraços, Flaviz Guerra – @flaviz

Flaviz Guerra
Flaviz Guerra
Apaixonado por automobilismo de todos os tipos, colabora com o GPTotal desde 2004 com sua visão sobre a temporada da F1.

4 Comments

  1. Mário Salustiano disse:

    Flaviz e amigos

    o treino oficial acabou a pouco e o domínio da Mercedes se confirma , dessa vez Rosberg quebrou a sequência de Hamilton, escrevo porque duas coisas me chamaram a atenção , a primeira é a cara amarrada de Hamilton que está ficando cada vez maior , mesmo daqui de longe pela TV dá para perceber que quem está sendo mais hostil na relação é ele e não Rosberg ,que ao menos sorrir em público, daqui a pouco ele vai atrair a antipatia da torcida

    O segundo ponto é o azar de Massa, impressiona, quando não é ele quem erra vem alguém e erra levando ele junto, se amanhã ele não conter a habitual afobação será outra corrida sem pontos esse ano e de corrida em corrida a tal liderança que ele deveria exercer não vai ocorrer, é bom lembrar que indiretamente Felipe pode ser classificado como piloto pagante, os dois patrocinadores brasileiros com certeza não teriam aceito outro piloto no lugar dele esse ano.

    Também concordo contigo que a situação de Schumacher é triste, mas infelizmente a realidade é que mesmo na melhor das hipóteses sua recuperação será muito lenta e deixará sequelas

    abraços e boa corrida amanhã

    Mário

  2. Mauro Santana disse:

    Olha, a respeito das Mercedes, só vou dizer uma coisa:

    “No meio do caminho havia uma Sainte Devote, havia uma Sainte Devote no meio do caminho”.

    Que as flechas prateadas alemãs se enrosquem e fiquem por lá!!!

    Ótima corridasssss a todos!!

    Abraço!

    Mauro Santana
    Curitiba-PR

  3. Fernando Marques disse:

    Flavis,

    sua visão para este GP de Monaco está perfeita.
    O Alonso, com sua dose de confiança, mandou ver nos treinos desta 5ª feira.
    O circuito de Monaco pode até nivelar por baixo os carros em termos de rendimento, mas em termos de piloto, creio que é a unica corrida em que um bom piloto pode fazer muita diferença e ganhar uma corrida.
    Se conseguir a pole, Alonso tem tudo para segurar as Mercedes.
    Não sabia que o Vettel já usando seu 4º motor zero KM. Acho que isso tira qualquer esperança de podermos ver uma reviravolta neste domínio das Mercedes. Falo isso pois só a RBR poderia ter esta condição, se a Renault conseguisse melhorar seu motor.
    A temporada já definida em favor da Mercedes. Talvez o GP de Mônaco possa proporcionar uma quebra desta hegemonia, impedindo a equipe alemã de vencer todas as corridas da temporada.
    O Kimi Raikkonen está uma decepção. Me arrisco a dizer que está conseguindo ser pior que o Massa. Uma pena pois botava maior fé para ele quebrar um pouco da soberba do Alonso na equipe.
    Temos promessa de chuva. GP de Monaco com chuva é uma grande loteria. Vai que chove e o MAssa vence … quer zebra maior do que esta para 2014?

    Fernando Marques
    Niterói RJ

    • Flaviz Guerra disse:

      Fernando, nem tudo está perdido pra Vettel.
      Se ele não sofrer quebras, ainda pode trazer novas peças para o motor. Hoje a unidade é dividida em 6 partes para efeitos de punição. Ainda assim, se em algum momento houver um revés durante uma classificação (chuva, acidente, quebra, etc) que prejudique a posição de larga, a equipe pode optar por uma troca completa – com punição – se realmente uma unidade nova da Renault representar ganho significativo.

      Kimi realmente não vem bem, mas mostra sinais de reação. E sabemos que ele não fica dando desculpas na televisão, isso ajuda muito.

      Zebra mesmo? Seria Max Chilton não terminar a prova! 😉

      Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *