Velocidade e saudade

Madeleines
11/07/2018
Croácia, campeã do mundo
18/07/2018

Olá, amigos!

Na coluna de hoje vou falar sobre dois temas, retratados de forma sucinta no título. Velocidade, para falar da pista mais veloz da NASCAR e saudade para falar de um piloto que nos deixou em 1993, ainda jovem e com muito gás, em um terrível acidente de helicóptero. O piloto e a pista têm sua história particular, sendo o local onde o jovem conquistou sua primeira vitória, no ano de 1987. Vamos lá?

Uma das imagens mais marcantes da NASCAR é aquela fila de carros grudados um no outro, com poucos centímetros de distância entre eles, rasgando a reta e passando pela câmera colocada no muro de contenção, parecendo um trem bala no ápice de sua velocidade. A pista que proporciona as melhores batalhas em alta velocidade, com o pé embaixo 100% do tempo, muita emoção e histórias lendárias só pode ser uma: Talladega.

Localizada no Estado do Alabama, a cidade de Talladega possui uma das pistas mais impressionantes de todo o calendário, um Superspeedway de 2.6 milhas, aproximadamente 4.2 km de extensão, construído em 1969 e que detém o posto de oval mais rápido do mundo, no formato tri-oval. Originalmente chamada de Alabama International Motor Speedway, a pista teve seu nome alterado para Talladega Superspeedway no ano de 1989 e permanece até hoje. Com uma capacidade inicial de 175 mil lugares, a pista passou por uma reforma em 2013 onde foi retirada uma parte da arquibancada, diminuindo o total de lugares para 80 mil.

O recorde oficial de velocidade da pista pertence à Bill Elliott que em 1987 percorreu as 2.6 milhas em incríveis 44,998 segundos, numa média de 212,809 milhas (342 km/h). A evolução dos carros durantes os anos fez com que a NASCAR decidisse limitar as velocidades máximas, principalmente por questões de segurança, já que os carros andavam sempre muito próximos e os acidentes eram constantes.A partir do ano de 1988 foram introduzidas as placas restritoras nos carros, fazendo com que sua velocidade diminuísse e o recorde oficial de 1987 permaneça até os dias atuais. Em 2004 Rusty Wallace testou um carro do ano sem a placa restritora e atingiu a média de 216,309 (348 km/h), com um tempo de 44,270 segundos. Média de velocidade de quase 350 km/h, algo realmente impressionante.

Devido à proximidade dos carros em Talladega, a pista é palco de grandes chegadas e também de muitos “Big ones”, as famosas batidas que envolvem muitos carros do grid. Para ter uma chance de vencer em Talladega, é necessário permanecer no pelotão principal dos líderes, ter uma boa estratégia, um bom posicionamento e principalmente ficar atento ao retrovisor. O líder precisa observar bem os movimentos das filas de carros atrás dele, prestando bastante atenção em qual fila ele pode receber um “empurrão” melhor. Não é fácil vencer em Talladega, sem dúvidas.

A família Earnhardt possui um ótimo retrospecto na pista mais veloz da NASCAR, com Dale Earnhardt levando incríveis dez vitórias e Dale Jr. seis vitórias, sendo quatro delas consecutivas. Talvez a velocidade tenha sido herdada ou Jr. tinha um grande professor em casa, provavelmente os dois.

Com uma pista onde os carros andam extremamente próximos, as chegadas na pista de Talladega são sempre espetaculares. Em 2010, a corrida no Alabama teve impressionantes oitenta e oito mudanças de liderança, o recorde absoluto. A vitória ficou com Kevin Harvick, que bateu Jamie McMurray na última curva, da última volta, em mais uma chegada emocionante e com um movimento clássico, movendo o carro do líder por apenas um momento.

Em 1981 Darrell Waltrip e Terry Labonte disputavam a liderança palmo a palmo, porém foram surpreendidos por Ron Bouchard, que colocou seu carro por dentro e venceu por uma margem muito pequena, com a primeira chegada com três carros muito próximos. Darrel ficou preocupado demais com Labonte e esqueceu do terceiro colocado. Certo de que havia vencido Terry, Waltrip ficou espantado quando viu o carro do vencedor Bouchard apenas alguns centímetros à sua frente.


A chegada de 81

Para entender os feitos de Dale Earnhardt e seu filho, é necessário lembrar que ninguém havia vencido duas vezes consecutivas na pista de Talladega até o ano de 1984. Com a vitória no ano anterior e em 84, Dale Sr. se tornou o primeiro a ter vitórias em sequência, nas primeiras de suas 10 vitórias. Seu filho não só igualou seu feito como foi além, conseguindo inéditas, e até agora imbatíveis, quatro vitórias em sequência. Se o pai conseguiu “ler o vento”, como muitos diziam, o filho não deixava por menos.

Uma das vitórias mais espetaculares de Dale Earnhardt em Talladega aconteceu em 2000, quando The Intimidator estava na décima oitava posição, faltando apenas cinco voltas, e ultrapassou todos os concorrentes à sua frente para vencer de forma sensacional. Foi uma das vitórias mais marcantes de Dale Earnhardt.

Talvez a corrida mais incrível na pista do Alabama aconteceu no ano de 1985, quando Bill Elliott, pai de Chase Elliott, venceu a corrida depois de estar duas voltas atrás. O feito é ainda mais impactante se considerarmos que Bill ultrapassou os concorrentes em bandeira verde, para descontar as voltas que estava atrás. O carro número 9 era tão rápido que ele ultrapassou todo o grid incríveis três vezes, vencendo de forma inacreditável e incontestável.

No último dia treze de julho a comunidade da NASCAR lembrou do grande piloto Davey Allison, filho do campeão Bobby Allison, e que perdeu sua vida neste mesmo dia no ano de 1993, após a queda do helicóptero em que estava. A história de Davey e de Talladega se conecta por circunstâncias boas e ruins, já que o piloto do carro número vinte e oito venceu sua primeira corrida da categoria principal na pista do Alabama, em 1987, e perdeu sua vida no mesmo local, quando chegava para assistir um treino da Busch series.

Em 1992 Davey teve seu melhor ano na NASCAR, tendo vencido a corrida de Daytona e disputado o título até a última corrida, perdendo a disputa para Alan Kulwicki, numa série de acidentes na prova decisiva. Em 1993 começou o ano com alguns resultados ruins, mas antes da metade do campeonato já estava no sexto lugar, mostrando que seu ano era promissor. O acidente levou Davey em seu melhor momento e nos tirou a chance de ver um grande piloto fazendo história na categoria. Davey não será lembrado apenas como filho de um dos maiores vencedores da NASCAR (papai Bobby teve 84 vitórias, uma a mais que o multi-campeão Jimmie Johnson), mas sim como um grande piloto que se foi jovem demais.

Voltando para 2018, o campeonato segue com o chamado “Big three”, composto por Kyle Busch, Kevin Harvick e Martin Truex Jr., dominando as vitórias. Truex venceu a prova do Kentucky, conseguindo sua quarta vitória na temporada. Ainda é cedo pra dizer e a sorte pode mudar até o fim do campeonato, mas há quem diga que os três citados já estão na grande final, faltando saber apenas quem será o quarto. Qual a sua aposta? Meu voto vai para Brad Keselowski.

Abraços!

Rafael Mansano

Rafael Mansano
Rafael Mansano
Viciado em F1 desde pequeno, piloto de kart amador e torcedor de pilotos excepcionais.

4 Comentários

  1. Fernando Marques disse:

    Mansano,

    duas belas chegadas podemos ver nos vídeos de sua coluna. Belas e fantásticas, sem dúvidas alguma.
    O chamado tri oval me parece também mais interessante que as pistas ovais. Bom lembrar que no extinto Autódromo do Rio de Janeiro foi construída uma pista assim para receber a Formula Indy.
    Mas que matar uma curiosidade minha? Quem tem mais vitórias na Nascar: A Ford, Chevrolet ou Crysler?
    Não deixa de ser uma boa ideia para sua próxima coluna.

    Fernando Marques
    Niterói RJ

    • Rafael Mansano disse:

      Olá, Fernando! Lembro de assistir algumas corridas no oval do Rio, parecia uma boa pista. Em relação às vitórias na Nascar, não tenho a informação precisa, mas campeonatos segue a lista, com ampla vantagem da Chevrolet.

      Chevrolet 39
      Ford 15
      Hudson 3
      Toyota 2
      Dodge 2
      Buick 2
      Plymouth 1
      Pontiac 1
      Oldsmobile 1

      Grande abraço!

  2. Mauro Santana disse:

    Belíssimo texto, Rafael!

    Gosto muito desta pista, e a primeira vez que eu tive contato com ela, foi em 1990, pelo vídeo game, no jogo Bill Elliott Nascar Challenger, do saudoso Nintendo 8 bits.

    Apartir daquele momento, está pista se tornava a minha predileta do calendário desta categoria incrível.

    Talladega é mesmo Especial!

    Abraço!

    Mauro Santana
    Curitiba PR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *