Jaws

O que eu vou dizer lá em casa, Leclerc?
25/07/2022
Spin and Win, versão 2022
01/08/2022

Olá, amigos! Metade do ano chegando e reservei esse momento para fazer um “throwback” de algumas décadas. Hoje vou falar de um piloto que foi um dos mais rápidos da NASCAR, um multicampeão que não media palavras e ações na pista. Vamos relembrar os números impressionantes e as histórias da carreira daquele que teve um grande impacto na categoria nos gloriosos anos 80.

A estreia na principal categoria da NASCAR aconteceu no ano de 1972, na pista de Talladega. Aos 25 anos, o piloto nascido no Kentucky, dirigiu o mesmo carro que Mario Andretti venceu a Daytona 500 de 1967. Correndo na pista mais longa e veloz do calendário, o jovem não conseguiu completar a corrida, seu motor o abandonou. Mas o orgulho da estreia fez com que mantivesse o carro em sua posse até os dias de hoje. Uma relíquia de valor inestimável.

Dividindo a pista com os grandes nomes da categoria da época, o garoto começou a ganhar respeito com boas atuações em seu próprio carro, mas sua primeira vitória só veio três anos depois. Em 1975, correndo em casa, o piloto então com vinte e oito anos ganhou a prova com maestria. Foram duas voltas em cima de todo o pelotão. A primeira é sempre especial, mas vencendo em casa e dando um banho na concorrência, foi um feito incrível para o jovem piloto.

Já conseguiu descobrir quem é o nosso piloto de hoje? Se o título não deu dica o suficiente, vou logo revelar seu nome: Darrell Waltrip. Num estilo parecido como o do brasileiro Nelson Piquet, Waltrip falava o que vinha à sua cabeça, criticando quem quer que seja mas sendo paciente para vencer suas corridas fazendo o que precisava fazer nas pistas. Daí veio o apelido “Jaws”, em referência ao filme que estreou em 1975, no Brasil conhecido como Tubarão. O apelido dado por Cale Yarborough pegou, ainda que o dono do nome não gostasse muito.

Waltrip foi um piloto que exerceu um domínio enorme em pistas de curta distância. Em Bristol o piloto venceu incríveis doze vezes, sendo sete delas de forma consecutivas. Em Martinsville foram oito poles e onze vitórias, em North Wilkesboro ele conquistou dez primeiros lugares e na pista de Nashville mais oito vitórias. Mas não se engane, Waltrip também venceu múltiplas vezes em pistas como Talladega, Charlotte, Michigan e Darlington. Somente em Charlotte, conhecida hoje como Coca-Cola 600 e na época World 600, o piloto do carro número dezessete venceu cinco vezes.

Por falar em vitórias, seus números impressionam demais. Em pistas mistas, Darrell conseguiu cinco, em pistas curtas foram quarenta e sete primeiros lugares, em speedways que possuem entre uma e duas milhas foram mais vinte, além de ter conseguido doze vitórias em superspeedways. Com um total de oitenta e quatro vitórias, Darrell Waltrip é o quarto maior vencedor da categoria, empatado com Bobby Allison.

Nem só de vitórias se faz um piloto, e somando aos grandes resultados, Waltrip ainda leva em seu currículo a quantia de trezentos e noventa top 10s, duzentos e setenta e um top 5s e cinquenta e nove poles. Waltrip foi também o primeiro piloto a ganhar mais de dez milhões de dólares com premiações de vitórias.

 

Até os dias de hoje Darrell Waltrip possui o recorde de top 5s em uma temporada, tendo conseguido incríveis vinte e dois top 5s em 1983 e vinte e um nos anos de 1981 e 1986.

Dono de três campeonatos, Waltrip teve seus anos de glória enquanto corria na equipe de um de seus ídolos, Junior Johnson. Em 1981, o primeiro ano com a equipe de Johnson, Waltrip venceu doze provas, levando o título em cima de Bobby Allison. O sucesso continuou no ano seguinte, com Waltrip vencendo novamente doze provas e deixando Bobby Allison para trás. Era o bicampeonato e a consolidação de Waltrip como um dos grandes.

No ano de 1983 Waltrip teve uma experiência que o fez repensar suas atitudes. Na primeira prova do ano, a Daytona 500, o piloto sofreu um forte acidente que o deixou inconsciente. Após a batida alguns torcedores comentaram que talvez agora Waltrip começaria a falar algo com sentido ou simplesmente parar de falar. Neste momento Darrell percebeu que precisava mudar sua imagem e se tornar mais simpático aos fãs e seus concorrentes. Essa mudança rendeu frutos, já que Waltrip foi eleito o piloto mais popular por dois anos seguidos entre 1989 e 1990.

https://www.youtube.com/watch?v=jLzO_E0-wO0

 

Darrell Waltrip correu também pela equipe de Rick Hendrick, tendo vencido sua única Daytona 500 com o carro desse time. Após alguns anos sem o mesmo sucesso da época em que corria na equipe de Junior Johnson, Waltrip montou sua própria equipe, tendo vencido cinco provas em dois anos, até 1992. A partir de 1993 o máximo que conseguiu foram alguns top 5s, decidindo por se aposentar no ano 2000. Foram vinte e oito anos atrás do volante com histórias incríveis e uma bela de uma carreira.

Após se retirar das pistas, Waltrip virou comentarista na tv norte americana, onde em sua primeira prova no posto teve a oportunidade de ver seu irmão mais jovem, Michael Waltrip, vencer a Daytona 500, mas também a tristeza de ver seu ex-rival, e agora amigo, Dale Earnhardt Sr. perder sua vida na mesma corrida.

Mantendo seu jeito falador, Waltrip encontrou uma oportunidade única de se manter como parte do esporte que tantas alegrias o trouxe, criando um bordão muito famoso em todas as largadas em que esteve na cabine. “Boogity, boogity, boogity! Let’s go Racing boys! Aqui vemos o vídeo em que o ex-piloto disse seu bordão na sua última transmissão pela TV antes de se aposentar em definitivo, no ano de 2019.

https://www.youtube.com/watch?v=jmHrQP5jofo

 

Darrell Waltrip não foi apenas um excelente piloto, mas também um grande embaixador do esporte. Após encerrar seus anos como piloto, lutou para que a NASCAR introduzisse mais segurança aos carros, depois de ver grandes amigos perdendo suas vidas. Sua participação nas transmissões também foi uma grande parte do show. Seu legado permanecerá sempre vivo na história das corridas, como se fosse um filme de grande sucesso.

Grande abraço.

Rafael Mansano

Rafael Mansano
Rafael Mansano
Viciado em F1 desde pequeno, piloto de kart amador e torcedor de pilotos excepcionais.

2 Comments

  1. Fernando marques disse:

    Eu acho os carros dos anos 70 muito mais bonitos

    Fernando Marques
    Niterói RJ

  2. Apesar do Darrell Waltrip ter estreado na categoria em 1972, ele só fez a primeira temporada completa dele na Cup em 1975.

    Marcelo C.Souza
    Dias D’ávila – BA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *