Um novo Senna

Driven, 20 anos
26/07/2021
Um GP, muitas histórias
02/08/2021

Olá, amigos!

Em um momento raro de férias da Nascar – ficaremos duas semanas sem corridas – vamos usar esse espaço para falar de uma promessa da categoria, um jovem que surpreende dentro e fora das pistas, o pequeno grande Ty Gibbs. O piloto norte-americano oriundo de Charlotte, na Carolina do Norte, é neto do grande Joe Gibbs, ex-técnico campeão da NFL, dono da Joe Gibbs Racing e multicampeão da Cup Series. A equipe Gibbs é um dos principais times da Nascar, contendo quatro carros e muitas vitórias. Seus pilotos são Kyle Busch, Denny Hamlin, Martin Truex Jr. e Christopher Bell.

Ty Gibbs nasceu no dia 4 de outubro de 2002, portanto possui dezoito anos, compete nas categorias de base da Nascar desde 2017, então com quinze anos. O início pode ser tardio para pilotos que correm nas bases do kart, mas para a Nascar não é algo tão incomum. O começo de sua carreira foi bastante normal, tendo corrido apenas em algumas das provas do campeonato, liderado algumas voltas e conseguido duas poles.

Começando nas pistas correndo com Late Models, Ty Gibbs correu também na K&N Pro East e West em 2019, onde consegui duas vitórias em sete corridas. Ainda em 2019 começou a disputar a Arca Series, conseguindo duas vitórias em onze provas disputas no ano. Em 2020 Ty venceu seis vezes em dezesseis provas na divisão principal. Os caminhos para a vitória pareciam naturais ao jovem piloto. Em 2021, até o momento, Gibbs disputou as onze provas do calendário da divisão principal da Arca Series, tendo vencido seis provas. Um aproveitamento impressionante de 55%.

Você deve estar se perguntando o porquê do título citando Senna, já que se trata de uma frase que já foi escrita sobre diversos pilotos em chamadas de jornais, na tentativa de reviver um mito e chamar a atenção de todos. O título da coluna não traz a interrogação que quase sempre acompanha essas palavras com o intuito de traçar uma comparação com o eterno tri campeão de F1. De forma alguma estou comparando o jovem Ty Gibbs com Senna. A comparação nunca é justa, já que o jovem piloto ainda não tem experiência suficiente, e anos de estrada, para ser comparado com um piloto tão experiente quanto Senna. O que me fez citar o nome do piloto brasileiro é a incrível, e até mesmo surpreendente, admiração que o jovem Ty Gibbs tem pelo tricampeão.

As demonstrações de fanatismo foram muitas. Ty Gibbs usou um capacete pintado com as cores de Senna, postou várias vezes nas redes sociais falando sobre o piloto, invariavelmente cita Senna em entrevistas e de uma certa maneira até se comporta como o brasileiro. Assim como Ayrton, Ty Gibbs é muito religioso e também sempre fala de Deus em suas conquistas. Em uma declaração sobre Senna, Ty Gibbs disse que “vê-lo pilotando é como ver um artista pintando um quadro”.

Mas tem um detalhe interessante nessa história. Ty Gibbs nasceu oito anos após a morte do piloto brasileiro. O título da coluna se remete a esse “novo Senna” que aparece para encantar as novas gerações com seus feitos, mesmo após 27 anos de sua partida. É de se admirar o quanto a “presença” de Ayrton ainda é tão relevante, mesmo para um piloto americano, país que não abraça a F1 quanto na Europa e Brasil, por exemplo. Com certeza a vasta disponibilidade de conteúdos no Youtube e a sempre forte marca “Senna” contribuem para que o piloto permaneça na mídia, mas é inegável que o talento atravessa gerações de uma maneira implacável.

Ty Gibbs ainda é uma promessa do automobilismo, está fazendo um excelente trabalho, sendo apenas o sexto piloto a vencer em sua corrida de estreia na Xfinity Series. Para quem gosta de corridas e boas histórias, seguir a carreira de Gibbs é um deleite. Juventude, agressividade e resultado. Esses são os ingredientes que levam a encantar os fãs, assim como foi com Senna, Schumacher, Alonso, Hamilton e alguns outros. Gibbs tem tudo isso e não mostra sinais de estar conseguindo isso com apenas sorte e bom equipamento. O piloto quer correr em diversas categorias e não descartou inclusive tentar a F1. Um sonho mais distante, mas quem sabe os bons resultados não sejam seu passaporte principal, assim como foi com Jacques Villeneuve e Montoya? Um dos passatempos preferidos do piloto é andar de kart. Com chuva ou sol, invariavelmente Gibbs está treinando em uma pista próxima de sua casa. Algumas vezes para fugir das tarefas que a mãe lhe pede, como o próprio já declarou, mas faz parte da juventude as pequenas escapadas.

Com a infraestrutura que a Gibbs tem na Cup Series, Ty é um sério candidato a ocupar um lugar na equipe em breve. De fato, os primeiros rumores começaram a surgir sobre quem ele substituiria na formação atual do time. Kyle Busch continua vencendo e é um bicampeão. Martin Truex também continua vencendo, mas ainda precisa ganhar um título pela equipe. Christopher Bell é um novato em seu primeiro ano na equipe, ainda tem espaço para provar seu talento, portanto quem está sobrando? Denny Hamlin. O piloto ainda não venceu em 2021, apesar de se o líder em pontuação. Com a criação da equipe 23XI, a qual Hamlin é sócio com Michael Jordan, as peças podem se encaixar em uma eventual troca para sua equipe, em dois ou três anos, deixando a vaga para Gibbs. Talvez Ty Gibbs comece na Cup disputando algumas corridas em uma equipe menor, apenas para sentir o carro, e depois de um ou dois anos possa ir para a equipe do avô. Por enquanto, tudo especulação, mas vamos observar de perto para ver as peças se encaixando. A ida para a categoria principal é praticamente inevitável, só o tempo dirá quando isso vai acontecer.

O campeonato continua acirrado, principalmente após a vitória de um azarão na corrida de New Hempshire, com Aric Almirola levando a prova. A equipe Stewart Haas raramente esteve perto de vencer em 2021, e muito menos Almirola. Mas em uma pista onde sempre andou bem, o piloto fez o necessário para garantir sua vaga nos playoffs. A pressão aumentou para aqueles que estão perto da linha de corte e não venceram. São eles: Kevin Harvick (!), Tyler Reddick, Austin Dillon, Chris Buescher e Matt Dibenedetto.

As próximas corridas devem pegar fogo com esses pilotos buscando a chance de disputar o título. Quem você aposta para as duas vagas em aberto? Vou de Harvick e Reddick!

Enquanto não temos Ty Gibbs na Cup Series, temos a oportunidade de ver sua carreira crescendo, tendo a garantia de assistir excelentes provas e uma nova estrela nascendo. Que assim seja!

Abraços,

Rafael Mansano

 

Rafael Mansano
Rafael Mansano
Viciado em F1 desde pequeno, piloto de kart amador e torcedor de pilotos excepcionais.

3 Comments

  1. Olá Fernando!

    Todos os vencedores de corrida estão automaticamente classificados para os Play-Offs da Nascar, porém, somente dezesseis pilotos passam de fase. Ou seja, para o atual líder Hamlin não se classificar aos play-offs sem vitórias, teriam que haver mais dezesseis vencedores diferentes entre os trinta primeiros da classificação, algo bastante improvável, pois houveram pilotos com mais de uma vitória.
    Fazendo uma comparação ao futebol, existe a rixa entre os que preferem os ‘pontos corridos’ e os ‘mata-mata(play-offs)’. No caso do automobilismo, prefiro zilhões de vezes os pontos corridos e a Nascar me dá bastante razão de preferir a simplicidade de quem marca mais pontos no fim do ano é o campeão.
    Espero ter ajudado!

  2. Fernando marques disse:

    Rafael,

    Uma pergunta: o líder do campeonato está classificado pra os plays off?
    Afinal ele ainda não venceu uma corrida este ano?
    Esse regulamento da Nascar e de Nascar de entender …

    Fernando Marques
    Niterói RJ

    • Rafael Mansano disse:

      Oi Fernando, tudo bem?
      O líder sem vitória se classifica por pontos. Os que vencem e tem participação na maioria das corridas avançam para os playoffs.
      Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *