Endurance

Dia da virada
23/05/2022
Gostei do seu capacete, piloto
30/05/2022

Olá, amigos!

No próximo fim de semana, a Nascar vai correr a prova mais longa do campeonato. Com certeza se trata de uma corrida de endurance, muito mais do que somente de velocidade pura. A tradicional prova disputada no oval de 1,5 milha (2,4 km) de extensão, na pista de Charlotte, vai ter 600 milhas de distância (970 km). Disputada no mesmo dia da corrida de Mônaco, na F1, e a Indy 500 na F-Indy, a prova é um prato cheio para quem gosta da tradição na Nascar. Provas longas estão no DNA da categoria, apesar de que nos últimos tempos alguns pilotos estão trazendo a discussão sobre a duração das provas para a mesa. Particularmente acredito que a distância atual das provas não compromete, talvez apenas nas pistas muito curtas, como Bristol e Martinsville.

Disputada desde 1960, a corrida é um desafio para pilotos e equipes. Os carros precisam durar toda a prova, sobreviver aos possíveis acidentes e os pilotos precisam de energia para ir até o fim da longa prova. Obviamente dirigir um carro da Nascar não é tão exigente quanto um F1, mas ainda sim é preciso aguentar as altas temperaturas dentro do carro e ter uma cabeça boa para não ficar estafado mentalmente.

O tempo de prova costuma ficar em torno de quatro horas, mas se tivermos muitas bandeiras amarelas, a corrida pode passar de quatro horas e meia. Imagine o esgotamento após todo esse tempo, com a pressão pelo resultado, a busca por melhorar o carro e ainda ficar de olho em quem está em volta. Realmente não deve ser nada fácil.

Outra característica que marca o grandioso evento é o fato de a Nascar celebrar o Memorial Weekend, o que quer dizer que equipes e pilotos prestam homenagem aos soldados das forças armadas que lutaram batalhas através dos anos. Nomes desses soldados são colocados nos carros, as famílias deles também comparecem ao evento e as cores levam um toque de patriotismo, com bandeira dos Estados Unidos sempre presente. Aqui você consegue ver as pinturas para a prova desse ano.

Se tratando de uma corrida longa, a experiência dos pilotos geralmente conta bastante para o resultado. A mudança de temperatura, os “stints” mais longos e o desgaste do carro faz com que os ajustes sejam constantes, assim como é importante o feedback do piloto para sua equipe. Um ponto curioso que comprova a duração longa da prova é o fato de quem, em 1997, a prova precisou ser interrompida, antes do número total de voltas ser completado, pois já se passava de 1h da manhã e era preciso fazer silencio na região. Em outros casos a prova passou da meia noite, em horário local.

Entre os maiores vencedores então Darrell Waltrip, com cinco vitórias, Jimmie Johnson, com quatro vitórias, Buddy Baker, David Pearson, Bobby Allison, Dale Earnhardt, Jeff Gordon e Kasey Kahne com três cada um. A equipe que mais venceu foi a Hendrick Motorsport, com incríveis doze vitórias, incluindo no ano passado, com Kyle Larson. A última vitória foi bastante dominante, já que Larson liderou 327 das 400 voltas da prova.

No último fim de semana tivemos a prova do All-star, com uma série de eventos em um fim de semana festivo. A corrida não valeu pontos para o campeonato, mas pagou ao vencedor a quantia de 1 milhão de dólares. A prova foi marcada por uma bagunça da Nascar nas voltas finais. Por regulamento, a corrida do All-star não pode terminar com bandeira amarela, e Ryan Blaney caminhava tranquilamente para ganhar, quando segundos antes de cruzar a linha de chegada, a bandeira amarela foi mostrada. Ricky Stenhouse Jr. acertou o muro, sem rodar e sem causar problemas para nenhum outro carro, já que todos já haviam passado por seu carro. Tendo avistado a bandeira quadriculada, Blaney baixou sua tela de segurança, porém a Nascar anunciou que haveria um overtime. Por motivos de segurança é proibido correr com a tela de segurança baixada, então Blaney precisou fazer de tudo para prende-la novamente. Não tendo conseguido, ele foi obrigado a segurar a tela com uma mão, enquanto relargava e disputava a prova com Denny Hamlin. Blaney conseguiu vencer, mas a lambança foi bem embaraçosa.

Voltando à prova do próximo domingo, a maratona da Nascar, os ingressos para as áreas com cadeiras estão esgotados, restando apenas lugares em áreas premium, o que quer dizer que teremos casa cheia. Com certeza será uma prova disputada e repleta de eventos. Um fim de semana repleto de emoção vai nos fazer ficar grudados na TV o dia todo. Monaco, Indy 500 e Charlotte 600. Não tem como ficar melhor.

Um abraço!

Rafael Mansano

 

Rafael Mansano
Rafael Mansano
Viciado em F1 desde pequeno, piloto de kart amador e torcedor de pilotos excepcionais.

1 Comment

  1. Mauro Santana disse:

    Grande Rafael!

    Sim, domingo é o domingo dos sonhos para os amantes do automobilismo.

    Abraço!

    Mauro Santana
    Curitiba-PR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *